Pesquisar este blog

sábado, 1 de março de 2014

Em tempos de aniversário e carnaval




            Hoje, 1º de março, minha cidade querida faz exatos 449 anos. Não é uma cidade velha se comparada a muitas outras, mas também não “nasceu ontem” como diz o bom malandro carioca[1].
            Para comemorar com a euforia comum ao carioca, só o carnaval, embaralhado na latinha de cerveja - indispensável à saudação do amigo, do dia de sol, do dia de chuva, do calor, sempre “insuportável” que o carioca suporta como ninguém – tomando de assento – ao lado da janela, claro – o aniversário da cidade.
            A alegria da cidade está aí, e sempre esteve. Desde os tempos de Estácio de Sá que não a toa deu seu nome ao berço do samba. Está aí desde os tempos da Tia Ciata, que com outras “tias” baianas recebia, com os terreiros cheios de comida, onde se misturavam tambores, música e felicidade. Está aí desde os tempos das lotações, pequenas, que se enchiam rápido e trafegam pelos bairros ligando a cidade. Está aí desde os tempo em que os bondes passeavam por rua estreitas a receber e despejar passageiros e ditando normas higiênicas de "não cuspir".
            Sempre houve alegria na cidade. Em seus piores momentos, lá estava o carioca a rir de si mesmo. Como no tempo onde se queria exterminar os ratos. Os meninos  caçavam ratos e... vendiam a bom preço. Salvava-se a refeição da família. Só no Rio!
            Ou quando a polícia, para ordenar e tornar civilizada a cidade, perseguia os capoeiras. Temíveis! Que nunca deixaram de existir, e de se exibir, e de criar “escolas” e de terem adeptos e... hoje representam a cultura do Brasil no exterior. Só no Rio!
            A alegria contaminava as greves na cidade, que apesar de reivindicações justas, levavam junto o modo de ser de quem nasceu aqui, ou escolheu este lugar para viver. Que cidade fez a primeira greve dos cocheiros, carroceiros e motorneiros de bonde[2]? Por que os cocheiros, carroceiros e motorneiros de bonde deflagraram a greve? Por que não queriam ser comparados aos “gatunos”, que só eles eram fotografados pela Polícia. Só no Rio!
            Mesmo estando consternados, como no tempo em que morreu o elegante Barão de Rio Branco, vimos motivo para haver mais um carnaval. E houve! Só no Rio!
            Até quando queríamos apostar tudo, nem tudo dava certo. Pois não era certo haver uma revolta contra as oligarquias em 1922? Estavam convictos, desfilando à beira mar... 17 militares e um civil... Os “Dezoito do Forte”! Porque um achou que o outro ia aderir e ficaram assim: só 18. Só no Rio!
            E a proclamação da República que não houve? Só podia acontecer aqui. Onde se pensaria convidar um militar, amigo do Imperador, para chefiar um regime que o deporia? Só no Rio.
            E você, ao ler todo esse texto, pense comigo: alguma cidade no mundo festejaria seu aniversário de 449 anos em data mais representativa de seu povo como o Carnaval? Só o Rio.



[1] O que chamo de malandro carioca é o habitante da cidade, tenha nascido, ou não, no Rio de Janeiro, que recebe o turista com fraternidade; que faz da vida uma piada pronta, onde ri de si mesmo; que anda pela cidade com desenvoltura assumindo o que   a cidade tem de bom e de ruim e, acorda feliz ao ver um dia de sol, que sabe que vai aplaudir de pé, "mais um dia", nas pedras do Arpoador; que é feliz “apesar de”.
[2] Em 1900. Ver TERRA, Paulo Cruz. Cidadania e trabalhadores: a greve dos cocheiros e carroceiros no Rio de Janeiro em 1900. In: Gladys Sabina Ribeiro (org.). Brasileiros e cidadãos: modernidade política 1822-1930. São Paulo: Alameda, 2008.
Postar um comentário