Pesquisar este blog

ESCOLA NORMAL DO DISTRITO FEDERAL: por trás da modernidade civilizatória da cidade do Rio de Janeiro (1911 - 1920)

Artigo publicado na Revista Contemporânea, da UFRJ, v.8, 2013


Tempos modernos

Os novos tempos trouxeram consigo a electricidade, o automóvel e o telephone, os tecidos finos, os boulevards, o calçamento das ruas e os palacetes, o aeroplano, o poudre de riz, o theatro e o cinematographo, a propagação de práticas desportivas, o surgimento do mercado fonográfico e a popularização da fotografia entre outras novidades. Eram definitivamente tempos modernos. (SOUZA, 2008, p.52)


            As reformas na cidade do Rio de Janeiro para mostrar ao mundo, através da capital federal, uma nação moderna, industrializada, civilizada, que pudesse estar no mesmo nível da França ou da Inglaterra eram discutidas na cidade pelos transeuntes, pela imprensa, nos bondes, nos quiosques e nos cafés. Os jornais, com intelectuais a seu serviço e com tema tão contraditório, alargavam os espaços das matérias e usavam fotografias e charges para obter mais leitores a cada dia, mesmo os que não soubessem ler, à custa do reordenamento urbano e suas consequências.
A cidade vivia novos tempos. Cortiços e casas pobres foram derrubados, ruas estreitas e insalubres desapareceram, foram criadas a Avenida Central, a Avenida Francisco Bicalho, a Avenida Rodrigues Alves, a Avenida Maracanã e a Avenida Beira-Mar, todas para ligar o centro administrativo e o porto aos bairros e parecer-se com os boulevars parisienses. Ruas como a Marechal Floriano, a do Catete, a Uruguaiana, a da Carioca, foram alargadas para facilidade de circulação de transportes e pessoas; foi construído um teatro, o Municipal, o Palácio Monroe, a Biblioteca Municipal, a Escola Nacional de Belas Artes, para inserir a cultura dentre tantas reformas no mapa arquitetônico da capital federal. Ao mesmo tempo, os habitantes dos cortiços e da área do cais Pharoux foram empurrados para longe do centro e para os morros[1]. Todas as reformas eram realizadas para embelezar a cidade aos que chegavam de modo a perceberem, à chegada, uma cidade moderna e civilizada.
Na Escola Normal era o novíssimo relógio à vácuo que mostrava a modernidade aos passantes, substituindo o antigo sino, para marcar a entrada e saída dos estudantes, assim como a nova e moderna luz elétrica de sua iluminação externa que, segundo o Diretor em ofício à Instrução Pública, fazia com que o orçamento fosse extrapolado, que deveria mostrar a civilidade e probidade do prédio público de instrução. Mas não eram só essas as reformas.     Para acompanhar as transformações de modernidade[2], houve uma reforma de instrução que tinha por objetivo a melhoria e modernidade da Instrução Pública brasileira, a Reforma Rivadávia Corrêa[3], que foi implementada pelo Decreto nº 838, da Prefeitura do Distrito Federal, de 20 de outubro 1911.
Expressa no Regulamento da Escola Normal de 1912, a reforma da instrução pública no Distrito Federal trouxe muitas modificações à formação docente dos normalistas que começaram pela autonomia institucional, que passou legalmente a existir. Desde a criação do educandário, e, principalmente após a confecção do Regulamento de 1881, pela Congregação[4], com a experiência adquirida pelos docentes, após um ano de atuação na formação de professores, ter autonomia era um desejo dos professores intelectuais que a compunham Desejo que só foi alcançado naquele momento de reforma, quando puderam escolher, dentre seus pares, o Diretor do educandário.
O eleito pela Congregação por “vinte e dois votos contra um” (SILVEIRA, 1954, p.39) para dirigir a Escola Normal foi o médico e político Thomaz Delfino dos Santos (1860-1947), catedrático de Pedagogia. Ele disputou o cargo com o Professor Pedro Barreto Galvão, catedrático de Física e Química, responsável pela implementação dos Gabinetes de Física e Química da Escola Normal da Capital Federal, em 1890 (SANTOS, 2009). A gestão do eleito durou dois anos, como determinava a legislação, mas a autonomia de poder escolher o diretor do educandário na Congregação acabou logo depois da gestão de Thomaz Delfino.
A sociedade, em transição, se urbanizava. O capitalismo cada vez mais se consolidava na capital federal e a formação de professores se adequava às transformações da cidade do Rio de Janeiro, através das normas do Regulamento da Escola Normal[5], O documento indicava, em suas disposições transitórias, no Artigo 144, as novas prioridades políticas do Distrito Federal para o curso de quatro anos de formação de professores: o ensino como formação profissional.
Continuavam fazendo parte da formação de professores os cursos de Ciências e Letras e Artes, como desde a criação da Escola Normal havia sido. Uma das novidades trazidas foi a alteração do quantitativo de professores (Artigo 59), que passou a ser composto por vinte e quatro professores catedráticos, no Curso de Ciências e Letras, e dez professores catedráticos, efetivos, no Curso de Artes. Os docentes comuns aos dois cursos (Ciências e Letras e Artes) passaram a ser: um professor de Caligrafia, um professor de Ginástica, um professor de Álgebra, uma professora de Trabalhos de Agulha; um professor de Desenho Linear, um professor de Francês, um professor de História do Brasil e Instrução Cívica, um professor de Economia Nacional, História da Indústria e Indústria contemporânea.
Os docentes privativos do curso de Ciências e Letras (Artigo 59 § 2º) eram a partir daquele momento: um professor de Português, um professor de Português e Literatura Nacional, um professor de Francês, um professor de Aritmética, um professor de Geografia Geral e Corografia do Brasil, um professor de História Natural e Higiene; um professor de História Geral e da América, um professor de Pedagogia, um professor de Física e Química. Para o curso de Artes, os docentes privativos eram: um professor de Música, um professor de Desenho de Ornato e Figura e um professor de Trabalhos Manuais.
Ao discutir a história das disciplinas escolares, Santos (1990, p.21) reflete que elas devam ser interpretadas em função das mudanças sociais, políticas e econômicas que estavam ocorrendo ao serem criadas, assim, posso inferir, que no Programa de Ensino da Escola Normal de 1913, vinculado à reforma Rivadávia, as Cadeiras de Física e de Química deveriam abordar as aplicações à indústria de modo que, com a vulgarização dos conhecimentos científicos, fossem  eles aplicados à modernidade que as indústrias traziam e se desejava refletir a partir da formação de professores.
As novas disciplinas[6] de Economia Nacional, História da Indústria e Indústria Contemporânea foram organizadas de modo a, certamente, atender os novos tempos de urbanidade e industrialização, aliadas à modernização civilizatória. Tais transformações precisavam ser entendidas e partilhadas pelo povo do Rio de Janeiro, o que deveria ser feito através da educação de seus futuros professores. Eles levariam este conhecimento aos alunos nas escolas públicas elementares e nas escolas públicas de 1º e 2º graus.
Dentre as modificações metodológicas, as Cadeiras de Física e de Química deveriam abordar as aplicações à indústria de modo que, com a vulgarização dos conhecimentos científicos, fossem eles aplicados à modernidade que as indústrias traziam e se desejava refletir a partir da formação de professores.
As novas disciplinas[7] de Economia Nacional, História da Indústria e Indústria Contemporânea foram organizadas de modo a, certamente, atender os novos tempos de urbanidade e industrialização, aliadas à modernização civilizatória. É possível refletir, também, que a recomendação do Programa de Ensino da Escola Normal, em 1913, para que a Cadeira de História Natural trabalhasse com as aplicações à indústria, nos conhecimentos de Botânica e Zoologia, estariam, provavelmente, visibilizando os conhecimentos desta área, para um público maior, face à valorização da fauna e da flora brasileiras, pelos inúmeros viajantes[8] que o Brasil vinha recebendo, desde o século anterior. Igualmente é crível supor, que os conhecimentos ministrados em História Natural deveriam incorporar-se, às necessidades industriais, que eram necessárias ao desenvolvimento do capitalismo urbano-industrial, porque, desta forma, flora, fauna e conhecimentos científicos, ganhariam, destacado papel no currículo escolar, o que efetivamente ocorreu.
Ampliaram-se também, as noções de Anatomia e Psicologia Humanas, ciências que estavam se desenvolvendo. Os conhecimentos de Anatomia e Psicologia seguiam, segundo indícios no Programa de Ensino, as novas orientações metodológicas, europeias e norte-americanas. É possível supor que, como os estudos de Dècroly, Dewey, Kilpatrick, Maria Montessori e Ferrière estavam sendo expandidos, comentados e experimentados desde os últimos anos do século XIX, estas novidades pedagógicas tivessem chegado ao Brasil[9] e especialmente aos professores da Escola Normal face à extensa rede de sociabilidade mantida dentro e fora do Brasil. A esta hipótese alia-se o fato de Ferrière ter fundado, em 1899, o “Bureau International des Ècoles Nouvelle”, em Genebra, o que mais rapidamente teria feito circular os novos conhecimentos daquela instituição. (PEIXOTO, 1933, p.258).
Orientava-se, ainda, no Programa de Ensino, que as Cadeiras de Pedagogia e de Psicologia considerassem especialmente a Psicologia Infantil, de modo que a formação dos professores tivesse uma moderna base científica. Ora, Manoel Bonfim, em 1906, havia criado no Pedagogium o primeiro laboratório escolar de Psicologia, baseado nos estudos de Alfred Binet e Théodore Simon – dois estudiosos franceses do desenvolvimento da inteligência e da cognição – e é provável que estes estudos, também realizados no Rio de Janeiro, precisassem ser urgentemente, difundidos na capital e refletidos no país.
Aumentou-se também o pessoal administrativo da Escola Normal, de modo a poder dar conta da burocracia que passou a existir com a ampliação de três novas seções burocráticas na Instrução Pública, a partir de 1911[10]: um chefe de seção (servindo de secretário), um 1º oficial; um 2º oficial, dois amanuenses, um preparador (além do preparador de Física e Química haveria mais um, de História Natural), um porteiro, seis inspetores (tantos quantos forem necessários e extranumerários[11]) e dois contínuos.
Durante o impedimento de um professor, ou no caso de vaga na docência, descrevia o Regulamento que, regeria a Cadeira outro professor da escola, indicado pelo Diretor e aceito pela Congregação. Na impossibilidade deste procedimento, o Diretor, com a aprovação da Congregação, designaria um professor, estranho à instituição, que tivesse notória competência. Isso deu à Congregação um poder maior do que já possuía, passando a ser responsável pela admissão e demissão do corpo docente, ainda que não pudesse mais escolher o diretor do educandário, o que no ano seguinte à reforma foi modificado.
A Congregação de professores, nesta Reforma, respondia solidariamente com o Diretor nos "actos a que tiver dado seu assentimento" (art. 149º), o que lhe conferia, de direito, um poder que já possuía, de fato, desde a criação da Escola, ainda no Império: selecionando Cadeira a ser ministrada; decidindo a metodologia a ser empregada e os itens do conteúdo de cada uma delas. Enfim, detendo o poder pedagógico e administrativo da Escola Normal.
Todas estas mudanças da reforma Rivadávia Corrêa na Escola Normal, viabilizadas através do Regulamento de 1912 e do Programa de Ensino de 1913, buscavam valorizar as ciências e, junto a elas, a modernidade civilizatória republicana, tornando a sede do país, a cidade do Rio de Janeiro, catalizadora e espelho na formação de professores, o que colocaria, se acreditava, o Brasil na perspectiva do progresso.

Escola profissional: moderna perspectiva da educação

O prédio da Escola Normal do Distrito Federal, na Praça da Aclamação nº 52, reformado pelo Engenheiro Pereira Passos, estava situado em lugar de destaque e prestígio, cercado por prédios dos governos municipal e federal e pela Estação Ferroviária. A Escola Normal para ali se transferira em 1888, quando o número de alunos matriculados e a posição de importância do educandário não mais permitiram que dividisse instalações com a Escola Politécnica, no Largo de São Francisco. Mas o momento era outro, e as necessidades do regime também.
Na república, nesta nova fase de consolidação do regime, era necessário demonstrar a modernidade através do aparelhamento da mão-de-obra (de brasileiros: brancos, negros e mestiços), e dos inúmeros imigrantes, que foram chegando ao longo do tempo, para as novas funções trazidas pela urbanidade, pela industrialização, pelas novas ciências que se materializavam e pelo papel da mulher que começava a modificar-se. Era preciso atender ao capitalismo que avançava, ao progresso que se pretendia demonstrar e aos novos “ares” da civilidade europeia que pretendia imprimir ao Rio de Janeiro
Começava o ano de 1914 e a Escola Normal se via às voltas, outra vez, com mudanças. Mudança para dar espaço maior à Escola Profissional Feminina[12] que crescia no mesmo ambiente físico onde estava instalada a Escola Normal. Desde o ano anterior, no mesmo prédio da formação de professores, fora criada a 2ª Escola Profissional Feminina Rivadávia Corrêa. Era uma nova instituição que já nascia apoiada nos marcos do capitalismo que se desenvolvia, celeremente, na cidade do Rio de Janeiro que se acreditava, civilizava-se como uma nova Paris.

No começo do século XX, a então capital da república, mimetizava a belle époque parisiense, nela se festejavam as atrizes francesas (Sarah Bernardt), a vida mundana das confeitarias e cafés (Confeitaria Colombo, Cave, entre outras menos famosas), a moda parisiense (em lojas como a “Parc Royal”, templo da moda na “belle époque” carioca). A cultura predominante no período era a da modernidade, eminentemente urbana, que tornou a cidade do Rio de Janeiro um arquétipo de uma nova ordem mundial e se torna, ela própria, tema e sujeito das manifestações culturais e artísticas. (SOUZA, 2008, p.59)


            As escolas profissionais, inseridas na modernidade urbana, visavam o atendimento às moças e rapazes pobres que ali se instruíam no ensino primário e aprendiam técnicas profissionais para o trabalho no lar, no comércio que aumentava, e nas indústrias que surgiam, enfim, nos novos postos de trabalho que aumentavam, de acordo com o progresso capitalista que se consolidava na capital da república. Estas escolas profissionais passaram, então, a ser o locus privilegiado para o incremento de uma política de instrução urbana que envolvia a cidade como um todo, e a escola em particular, em tempos de moderna estrutura civilizatória com novos hábitos culturais.
A Escola Profissional era parte das estratégias do Estado para obter a necessária mão-de-obra dos novos serviços e dos postos surgidos. Goodson (1995, p.78-79) explica que é importante que se conheça as transformações da sociedade, e os conflitos que daí podem advir, para definir quem a escola deve formar.
Face aos diversos cursos oferecidos, o educandário feminino precisava cada vez mais de espaço para as salas ambiente[13]. Por esta razão, A Escola Profissional acabou por ficar com todo o prédio da Escola Normal. Além disso, o quantitativo de alunos na Escola Normal havia diminuído, enquanto as Cadeiras ali ministradas aumentaram; os salários dos professores formados, que poderia ser um estímulo às matrículas, eram baixos e as poucas escolas oficiais existentes não tinham como absorver, anualmente, o número de normalistas formados.
Comenta Nunes (1993), ao explicar a Reforma de 1911 e as consequentes alterações geradas, que:

Esta mudança exigiu a intervenção não só nos aspectos materiais da escola, o que envolveu a produção de um novo espaço com prédios e material didático pertinentes aos novos objetivos educacionais, mas também em seus aspectos simbólicos, pois a escola, mais do que novas carteiras, quadros ou salas, era um estado de espírito. (p. 183)


Em 1914, a Escola Normal do Distrito Federal foi transferida, por falta absoluta de espaço físico para funcionar, para a Rua São Cristóvão, 18, em parte de terreno anteriormente aterrado ao Mangue de São Diogo. Todo o espaço do prédio da Rua da Aclamação, 52, ficou para a 2ª Escola Profissional Feminina Rivadávia Corrêa. No Estácio, tendo por vizinhos favelas, instaladas nos Morros de São Carlos e Matos Rodrigues, e a zona do baixo meretrício, a Escola Normal do Distrito Federal começou a funcionar fora do círculo de poder que a Praça da Aclamação conferia às instituições ali sediadas.

Por trás da modernidade: Rua São Cristóvão nº 18, Estácio

Desde o século XVII, o caminho que se tomava para ir do centro do Rio de Janeiro para os bairros suburbanos de São Cristóvão, Engenho Velho e Andaraí Pequeno era feito através da Rua Mata-cavalos. A trajetória seguia então pela Estrada Mataporcos, até o local conhecido como Largo de Mata-porcos, depois designado Largo do Estácio, no século XIX. Este espaço geográfico, desde
O Largo do Estácio era um entroncamento, onde o caminho se bifurcava. Seguindo-se a bifurcação esquerda, ia-se ao Caminho do Engenho Velho; para a direita, tomava-se o caminho do bairro de São Cristóvão. Até a primeira metade do século XX, o Largo do Estácio era o principal ponto de entroncamento que ligava o centro da cidade à zona norte.  
No Largo do Estácio e início da Rua de São Cristóvão, situava-se a Escola Modelo Estácio de Sá, na Cidade Nova. O educandário apresentava uma arquitetura “sem estilo definido, resultando da associação de formas oriundas de diferentes estilos” (SISSON,1990,p.68). Fazia parte das escolas construídas no início do século XX, e por conta disso, “não possuía afastamento frontal, e tinha fachada assimétrica” (ibidem p. 69) sem grandes ostentações ou rebuscamentos estéticos. A escola tinha uma construção praticamente na rua, onde o portão lateral era a única entrada. Poucos metros distanciavam os pedestres das salas onde, pela altura das janelas, se impedia uma visão ampla das ruas, impedindo, também ao transeunte, ter visão das atividades escolares. O estudo da arquitetura dos prédios escolares (WOLFF, 1992; VIÑAO, 1995; FARIA FILHO e VIDAL, 2000) tem mostrado que, à vista do passante, o espaço escolhido para educar transparece a nobreza das intenções do ato educativo assim como a estabilidade da administração pública.

As estruturas do mundo social não são um dado objetivo [...] são historicamente produzidas pelas práticas articuladas (políticas, sociais, discursivas) que constroem as suas figuras (CHARTIER, 2002, p.27)


Era diferente do espaço geográfico que ocupava a Escola Normal do Distrito Federal, na Praça da Aclamação, onde existia um pequeno jardim bem cuidado que separava o prédio da rua.
O bairro para onde foi transferida a Escola Normal foi nomeado para homenagear o fundador do Rio de Janeiro, Estácio de Sá,[14]. A região geográfica, com a rua homônima, passa a denominar-se Estácio de Sá a partir de 1865, quando deixa de ser designada como Mataporcos [15] por conta de um matadouro ali existente. Esta rua iniciava-se na Rua Conde D’Eu que, após a república, passou a ser chamada de Rua Frei Caneca, de modo a, ao retirar uma designação ligada ao Império, valorizar outra que, naquele momento de mudança de regime político, esteve em posição oposta a ele.
A Cidade Nova, designação que engloba o Estácio e arredores, tem um histórico muito peculiar por ser o berço do samba carioca, tal como hoje se conhece. Lopes (2005) identifica na “Pequena África”, no início do século XIX, o nascimento do samba carioca. Com o crescimento da cidade e arrasamento dos cortiços, os Morros de São Carlos e Matos Rodrigues receberam os moradores despejados[16] que, através da religião dos negros inicialmente, criam o ritmo hoje denominado samba. Neste momento o tecido social se encontrava esgarçado, com um enorme contingente de marginalizados que deviam ser “civilizados” para uma cidade moderna que se construía, com uma elite privilegiada e com indivíduos que transitavam entre um espaço social e outro.
 No Estácio ficavam, a poucos metros do educandário e da favela[17], as casas de prostituição representadas pelas “polacas”[18] que ali vendiam seu corpo, então denominadas “mulheres públicas”. Estas mulheres foram um contraponto ao recato dos normalistas da Escola Normal, mas de certa forma faziam parte dos “ensinamentos” recebidos pelos normalistas homens, ao tempo de sua formação educacional, como lembra o educador e ex-normalista de 1919, Paschoal Leme (2004):

Éramos levados em passagens furtivas por aquelas ruas, onde apreciávamos eletrizados a nudez daquelas mulheres, as chamadas "francesas", mas na realidade "polacas", com seus enormes seios e coxas à mostra, a nos fazer sinais amistosos e que nos atendiam, quase maternalmente, com a compreensão que às vezes tinham do verdadeiro privilégio com que faziam a iniciação daqueles bisonhos rapazes nos segredos do sexo, exercendo com invulgar dignidade a chamada "mais antiga das profissões do mundo. (p.121-122)


As “polacas”, como mulheres judias, ou assim se dizendo, “marginalizadas em sua dupla condição de imigrante e de fora-da-lei” (KUSHNIR, 1996, p.20) tinham a difícil tarefa de serem “mulheres públicas” e também estavam inseridas no âmbito da história cultural do entorno da Escola Normal do Distrito Federal, no início do século XX. A prostituição das “polacas”[19] ocupava um grande número de casas e ruas nesta região, e deu ao lugar, até hoje, ao nome que antes já tivera: Mangue, ainda que a prostituição utilizasse casas desde a Avenida Mem de Sá.

Um currículo ampliado da cultura escolar: o currículo “ocultado”[20]

            Elias (1994) ao abordar, no estudo do processo civilizatório, “o controle, a restrição e o ocultamento dos ardores” (p.187), apresenta as prostitutas como parte de “um grupo profissional como qualquer outro, mas escondidas em lugar próprio e bem definido da vida pública da cidade” (p. 177). A cidade do Rio de Janeiro as escondera, mas com a acelerada urbanização, com os aterramentos dos mangues e aumento populacional e, também, com a mudança da Escola Normal, as expusera a um novo consumidor: os normalistas. E, ao expô-las, sem delas falar, pelo “ocultamento” social da profissão, passam a atentar para as influências que daí poderia advir.[21]
Assim para, provavelmente, diferenciar os normalistas dos consumidores habituais das “mulheres públicas”: filhos dos antigos “barões do café”, antigos aristocratas, filhos e os próprios políticos do Distrito Federal (VICENT, 2006, p.93), foi estabelecido, pelo Decreto nº 1678 de 5 de janeiro de 1915, o uniforme escolar obrigatório. No ano seguinte, pelo Decreto nº 1059, de 14 de fevereiro, o curso noturno foi extinto. As razões da extinção podem se explicadas pela imitação das Escolas Normais europeias, que não tinham curso noturno ou podem, talvez, vir do cronista boêmio João do Rio (1995) que conhecia as noites nas ruas do Rio de Janeiro na Cidade Nova:
A alma da rua só é inteiramente sensível a horas tardias. Há trechos em que a gente passa como se fosse empurrada, perseguida, corrida — são as ruas em que os passos reboam, repercutem, parecem crescer, clamam, ecoam e, em breve, são outros tantos passos ao nosso encalço. Outras que se envolvem no mistério logo que as sombras descem [...]. (p.5)
 
Esta região do Estácio tinha toda uma cultura peculiar, marginalizada, distante dos antigos círculos de poder da elite, que se apresentou como contraponto do recato, do pudor e das “boas maneiras” que a Escola Normal ensinava, pregava e tinha por meta desde a sua criação.

Desde fins do século XIX, uma vida noturna de diversões, — marcada por segregações de classe e de gênero —, começou a ser articulada exatamente na mesma região que concentrava muitas moradias coletivas. (SCHETTINI, 2009, p.59)


            A instituição continuava, no entanto, ao longo dos anos em que ali permaneceu[22], a enfrentar o grande problema ocorrido a partir da mudança do seu endereço: sem entender a cultura popular do seu entorno, dentro do sistema coerente e autônomo que esta cultura possuía, a negativava, desqualificando-a, porque funcionava “numa lógica alheia e irredutível à da cultura letrada”  (CHARTIER, 1995, p. 179).
A grande mudança na formação de professores, a partir da reforma educacional de 1911, foi passar a conviver com uma cultura diferenciada, tida por marginal, avessa aos requintes civilizatórios da elite. A Escola Normal, no Estácio, por trás da urbanização civilizatória da cidade, ao tornar-se vizinha dos morros e da prostituição, provocava para ela e para o entorno, conflitos e embates de representação, se colocando em confronto com as “classes socialmente perigosas”. O espaço público, dividido entre o educandário, a favela e as casas de prostituição, onde a marginalidade era fruto de culturas distintas, incompreendidas entre si, e de interesses diferenciados, com o tempo, provocaram, a intervenção da Instrução Pública, exonerando o diretor da instituição, professor Inácio Azevedo Amaral e nomeando uma mulher, a primeira a dirigir no Brasil uma Escola Normal[23], inspetora-escolar do 2º Distrito, Esther Pedreira de Mello para “moralizar” a instituição[24].

Conclusão

            Desde o governo Rodrigues Alves, mais enfaticamente, a cidade do Rio de Janeiro se modernizava através de reordenamento urbano e de alterações nos hábitos e costumes da população, tidos por medidas “civilizatórias”. Tais mudanças, acompanhadas pelos governos seguintes, foram transformando a cidade não só topograficamente como também culturalmente, pois que velhas tradições, hábitos e aspectos sociais foram extintos ou modificados para tornar o Rio de Janeiro uma “nova Paris”.
            A reforma de 1911, na Instrução Pública, além de incluir disciplinas novas ao programa de ensino da formação de professores da Escola Normal do Distrito Federal, adequando-o às novas políticas de urbanização, industrialização e modernidade na cidade do Rio de Janeiro, ocupa, em 1913, com outra instituição de ensino, destinada à profissionalização feminina, o espaço físico da Escola Normal do Distrito Federal. No ano seguinte, a escola de formação de professores é transferida para um local sem o prestígio social anterior. Por esta reforma a Escola Normal tem a autonomia de autogerir-se e de escolher, no seu quadro de professores, o diretor da instituição. Apesar de autônoma, o que durou menos que o tempo da Reforma, foi transferida para o Estácio, na Cidade Nova, fruto do aterramento do Mangal de São Diogo, habitada por fugitivos do “bota-abaixo” e local de trabalho das “polacas”, perdendo o símbolo de poder que o endereço anterior conferia.
No novo espaço físico da Rua São Cristóvão, no Estácio, os valores e significados da Escola Normal, expressos na cultura escolar vivenciada até então no centro político da cidade do Rio de Janeiro, ao interagir com a cultura e as representações do entorno geográfico, oriundas dos habitantes da favela e das casas de prostituição, provoca tal embate que a escola de formação de professores tem que ser, ao longo dos anos, “moralizada” pelo poder público.
Referências
ARQUIVO GERAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. (AGCRJ) Fundo/coleção: Prefeitura do Distrito Federal/RJ; Coleção fotográfica (1903-1958) Autor: Augusto Malta
ARQUIVO NACIONAL. Periódico A Noite, edição 21de agosto de 1911;                                             Periódico Correio da Manhã, edições de 19 de abril de 1920 e 5 de março de 1923
BARRETO, s/ano. Texto incompleto. A nova classe dos cirurgiões (Manuscrito da Biblioteca Nacional, coleção Lima Barreto) in O Globo, Caderno Prosa e Verso, 25 de setembro de 2010, p.2
____________ Recordações do Escrivão Isaías Caminha. São Paulo: Brasiliense, 1976
BONATO, Nailda. A Escola Profissional para o sexo feminino através da imagem fotográfica. Caxambu: 27ª ANPED, 2004 Disponível em
____________ O Instituto Profissional Feminino no Rio de Janeiro republicano: a formação de mão-de-obra nas primeiras décadas do século XX. (s/local e s/data) Disponível em www.historia.fcs.ucr.ac.cr/.../da%20costa_bonato.doc Acesso 20/12/2012
CARVALHO, Carlos Delgado. História da Cidade do Rio de Janeiro. (Biblioteca Carioca, vol. 6) Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro/Secretaria Municipal de Cultura, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, 1990
CHARTIER, Roger. “Cultura popular” revisitando um conceito histórico. Estudos Históricos, vol.8, nº 16, 1995 pp.179- 192
__________ Entre Práticas e Representações. Viseu, Portugal: Difel, 2002
CHERVEL, A. História das Disciplinas Escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Revista Teoria e Educação, Porto Alegre, v.2, 1990. pp. 177-229
ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1994.
FARIA FILHO, Luciano e VIDAL, Diana. Os tempos e os espaços escolares no processo de institucionalização da escola primária no Brasil Revista Brasileira de Educação, n. 14, maio / ago. 2000. Disponível em:
_________ et al. A cultura escolar como categoria de análise e como campo de investigação na história da educação brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.1, p. 139-159, jan./abr. 2004.
GOODSON, Ivor F. Currículo: teoria e história. Rio de Janeiro: Vozes, 1995
GONÇALVES, Aureliano Restier. Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro: terras e fatos. (Coleção Memória Carioca, vol.4) Rio de Janeiro: Secretaria Municipal das Culturas, Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 2004.
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO. Regulamento da Escola Normal do Distrito Federal. Rio de Janeiro: Papelaria Mendes, 1912
_________  Regulamento da Escola Normal 1916.(Decreto 1059 de 14 de fevereiro de 1916) Rio de Janeiro: Typ. Do Jornal do Commercio, de Rodrigues & C.
_________ Programmas de Ensino para o anno de 1913. Rio de Janeiro: Empresa Photo-Mechanica do Brasil, Rua da Quitanda, 165, 1913
________ Programmas de ensino para o anno de 1915. Rio de Janeiro: Oscar N. Soares, Rua do Ourives, 60. 1915.
KUSHNIR, Beatriz. Baile de Máscaras. Mulheres Judias e Prostituição. As Polacas e suas Associações de Ajuda Mútua. Rio de Janeiro: Imago, 1996.
LEMME, Paschoal, Memórias de um educador: Paschoal Lemme., vol.1,2ª ed., Brasília: Inep, 2004.
LOPES, Nei. A presença africana na música popular brasileira. Revista Espaço Acadêmico n° 50 – Julho/ 2005
LOURO, Guacira Lopes. Gênero e Magistério: Identidade, História Representação.   In CATANI, Denice Bárbara... [et al]. Docência, memória e gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras Editora, 19;97 pp.73-82
MIGNOT, Ana Chrystina Venancio e GONDRA, José Gonçalves (Orgs.).Viagens Pedagógicas. São Paulo: Cortez, 2007.
NUNES, Clarice. A escola redescobre a cidade: reinterpretação da modernidade pedagógica no espaço urbano carioca (1910-1935). Tese de Concurso (para Professor Titular). Niterói: UFF, 1993
OLIVEIRA, Lúcia (org.). Cidade: história e desafios. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 2002.
PALMA FILHO, J. C. Pedagogia Cidadã – Cadernos de Formação – História da Educação – 3. ed. São Paulo: PROGRAD/UNESP/ Santa Clara Editora. 2005, p. 49-60
PAULILO, André Luiz. Aspectos políticos das reformas da instrução pública na cidade do Rio de Janeiro durante os anos 1920. Rev. Bras. Hist., São Paulo,  v. 23,  n. 46,   2003 .   Disponível em
PEIXOTO, Afrânio. Noções de História da educação. (Biblioteca Pedagógica Brasileira, vo. V, série III). São Paulo: Companhia Editora Nacional, Gusmões, 1933
PIZARRO E ARAUJO, Joze de Souza Azevedo. Memorias Historicas do Rio de Janeiro e das províncias anexas à jurisdicção do estado do Brazil, dedicadas a el-rei Nosso Senhor D. João VI. Tomo IV. Rio de Janeiro, na Impressão Regia, com licença de Sua Magestade, 1820.
RIO, João. A Alma Encantadora das Ruas. Paris; Garnier, 1908
SANTOS, Heloisa Helena Meirelles dos. Pelos Vapores do Progresso: a implantação dos Gabinetes de Física e Química na Escola Normal da Capital Federal (1890-1892). Anais... IX Congresso Iberoamericano de História da Educação Latino- americana. Rio de Janeiro: SBHE/ UERJ, 2009.
___________ Congregação da Escola Normal: da legitimidade outorgada à legitimidade (re) conquistada. (1880-1910). Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UERJ, 2011.
SANTOS, L. L. de C. P. História das disciplinas escolares: perspectivas de análises. Teoria e Educação. Porto Alegre, n. 2, p. 21-29, 1990.
SCHETTINI, Vera. "Que Tenhas Teu Corpo": uma história social da prostituição no Rio de Janeiro das primeiras décadas republicanas. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005
SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na
Primeira República. São Paulo: Brasiliense, 1989. 3.ed.
____________. A revolta da vacina: mentes insanas em corpos rebeldes. São Paulo: Cosac Naify, 2010
SILVA, Geraldo Bastos. A educação secundária: perspectiva histórica e teoria. (Atualidades Pedagógicas, vol. 94) São Paulo: Cia Editora Nacional, 1969.
SILVA, João Carlos da. Utopia Positivista e Instrução Pública no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.16, p. 10 - 16, dez. 2004 Disponível em http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/revis/revis16/art2_16.pdf Acesso em 16/01/2013
SILVEIRA, Alfredo Balthazar da. História do Instituto de Educação. Rio de Janeiro, DF: Instituto de Educação, 1954
SISSON, Rachel. Rio de Janeiro, 1870/1945: Escolas Públicas do Primeiro Grau. Inventário, tipologia, história. pp. 63 – 78 Arquitetura Revista  v. 8. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1990.
SOUZA, Fernando Gralha de. A Belle Époque Carioca: Imagens da modernidade na obra de Augusto Malta (1900-1920). Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora, Minas Gerais: UFJF, 2008
VERÍSSIMO, José. A educação nacional. 3ªed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985.
VIÑAO FRAGO, A. Historia de la educación e historia cultural: possibilidades, problemas, cuestiones. Revista Brasileira de Educação, n. 0, p. 63-82, 1995.
VINCENT, Isabel. Bertha, Sophia e Rachel – A sociedade da verdade e o tráfico das polacas nas Américas. Rio de Janeiro: Ed. Relume Dumará, 2006
WOLFF, S. Espaço e educação. 1992. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo, São Paulo: USP, 1992.





[1] A ação do governo não se fez somente contra os seus alojamentos: suas roupas, seus pertences, sua família, suas relações vicinais, seu cotidiano, seus hábitos,seus animais, suas formas de subsistência e de sobrevivência, sua cultura. Tudo, enfim, é atingido pela nova disciplina espacial, física, social, ética e cultural imposta pelo agente reformador (SEVCENKO, 2010, p.82)
[2] O Distrito Federal era tido como espelho para a nação brasileira.
[3] Decreto nº 8.659, de 5 de Abril de 1911.
[4] Ver SANTOS (2011) para compreender o papel da Congregação na Escola Normal.
[5] O Regulamento de 1912 expressava as normas administrativas, pedagógicas e de disciplina para alunos, professores e a Congregação da Escola Normal do Distrito Federal, face à Reforma de 1911.
[6] Disciplina no sentido de Chervel (1990) “matéria de ensino suscetível de servir de exercício intelectual [...], quando a evolução da sociedade e dos espíritos permite contrapor à disciplina literária uma disciplina científica” (p.179 - 180).
[7] Disciplina no sentido de Chervel (1990) “matéria de ensino suscetível de servir de exercício intelectual [...], quando a evolução da sociedade e dos espíritos permite contrapor à disciplina literária uma disciplina científica” (p.179 - 180).
[8] Ver também Manizer, Guenrikh Guenrikhovitch. A expedição do acadêmico G. I. Langsdorff ao Brasil, 1821-1828. Trad: Oswaldo Peralva, 1ª Edição Vol. 329, 1967 Disponível em http://www.brasiliana.com.br/brasiliana/colecao/obras/117/A-expedicao-do-academico-G-I-Langsdorff-ao-Brasil-1821-1828 Acesso em 21/12/2012
[9] Segundo Mignot e Gondra (2007) as viagens pedagógicas impulsionam a circulação de conhecimentos, assim como as Exposições Universais.
[10]“A Reforma na Instrução Municipal”. “Acha-se quase concluída a reforma administrativa na Diretoria Geral da Instrucção. A reforma creará mais uma secção denominada “Inspectoria e Estatistica Escolar”[...] com a creação da futura secção a Directoria Geral ficará dividida em três secções a saber: “Expediente”, “Contabilidade” e “Inspectoria e Estatistica Escolar”[...] (A Noite, 23/08/1911, p.2, obedecida a grafia original)
[11] O funcionário extranumerário era contratado por um tempo determinado para funções específicas.
[12] “Os Institutos e as escolas profissionais começaram a ser criadas no município do Rio de Janeiro ainda no século XIX, se consolidando nas primeiras décadas do século XX como uma possibilidade de formação de mão-de-obra para uma sociedade republicana que se instituía e que se pretendia moderna; e no caso das meninas também como uma escola de formação doméstica.” BONATO, Nailda (disponível em  www.historia.fcs.ucr.ac.cr/.../da%20costa_bonato.doc Acesso 20/12/2012)
[13] O curso profissional oferecido nas escolas profissionais femininas, segundo o Decreto 981, de 2 de setembro de 1914, abrangia  aprendizagem de: modelagem, gravatas, bordados a mão e a máquina, desenho, pintura, gravura, costura a mão e a máquina e cortes, litografia, fotografia, escrituração mercantil, datilografia, estenografia, tipografia: brochura e encadernação, telegrafia, rendas à mão e à máquina, flores e suas aplicações, chapéus e coletes para senhoras etc. (Art. 26, 27 e 30)
.
[14] Ruas próximas também são frutos de homenagens à família do fundador da cidade: Mem de Sá, Salvador de Sá. Outras tiveram a denominação alterada por mudança do regime político de Rua do Conde d'Eu, para Rua Frei Caneca.
[15]“Coberta de lagoas, pântanos e restingas a Cidade Nova era uma região extra-muros da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Dessa planície restou enorme mangal alagado, de marés salgadas, desde os areais do Capueruçu até São Cristóvão, e que se constituía de três diferentes porções: mangal do Capueruçu, mangal de Mataporcos e mangal de São Diogo.[...]  Nesse aterrado, e com as frentes voltadas para Matacavalos e Mataporcos instalaram-se  grandes chácaras, que se desmembraram no começo do século XIX para dar espaço às vias públicas e à casaria da Cidade Nova[...] . O antigo mangue da Cidade Nova [...] foi  transformado em canal navegável, reconstruído, em 1805. Com essa reconstrução, foi estendido até Mataporcos – Estácio de Sá – o aterramento para tornar mais rápido o transporte de hortaliças, gêneros alimentícios, tijolos, telhas e outras utilidades que vinham do sertão para a cidade”.(GONÇALVES, 2004, p.294)
[16] A demolição dos prédios foi iniciada com pessoas ainda  neles habitando. Foram 654 prédios destruídos. (SEVCENKO: 2010, p. 69).
[17] As favelas no Rio de Janeiro se caracterizaram por concentrar, nos morros que circundavam a cidade, a população pobre expulsa com o “bota-abaixo” e as que sem condições precisavam morar perto do serviço. Os morros da Providência, de Santo Antônio, São Carlos, dentre outros, transformaram-se, assim, em locais de moradias populares, substituindo os cortiços derrubados no centro da cidade e na zona portuária.
[18] As “polacas” ainda que assim designadas, não eram de maioria judia. Ver MENEZES, Lená Medeiros. Os Estrangeiros e o Comércio do Prazer nas Ruas do Rio (1890-1930). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional,1992 e  KUSHNIR, Beatriz. Baile de máscaras: mulheres judias e prostituição. As polacas e suas associações de ajuda mútua. Rio de Janeiro: Imago, 1996.
[19]O termo  “polaca”, utilizado para identificar a prostituta judia nem sempre era atribuído corretamente. As mulheres “polacas” podiam se confundidas com francesas (e era “chic” ser iniciado na vida sexual por uma francesa), polonesas, austríacas ou russas.(VICENT, 2006)
[20] Não estamos tratando aqui do “currículo oculto, mas do “ocultamento” das mulheres públicas” do entorno escolar e a introdução do “ensinamento” destas mulheres na formação docente masculina da Escola Normal do Distrito Federal.
[21] No início da década de 1890 [...] as judias da Europa Oriental eram consideradas as prostitutas operárias [...] (p. 90) Para as autoridades municipais o importante era manter as prostitutas longe das linhas de bondes e dos centros comerciais, e de cidadãos respeitáveis.[...](VINCENT, 2006)
[22] A Escola Normal só vai sair da Cidade Nova em 1930, aos acordes da revolução.
[23] A mulher nomeada ,em  1920, foi Esther Pedreira de Mello (1880-1923) que administrou a instituição por 54 dias.
[24] “[...]única capaz de substituir em benefício da instrução pública e da moralidade administrativa, o diretor demissionário[...]”(Correio da Manhã, 17/09/1920, p.3)
Postar um comentário