Pesquisar este blog

sábado, 2 de março de 2013

CONJUNTO ARQUIVÍSTICO DO CENTRO DE MEMÓRIA INSTITUCIONAL: FONTES E OBJETOS PARA O ESTUDO DA CULTURA ESCOLAR DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES (1880-1980)



Inauguração do CEMI no Torreão do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro,
 em 9 de dezembro de 2005, com a presença do Diretor do Colégio de Aplicação, Prof. Gandra
e alunos e professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental.



Artigo apresentado no IX Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação (Rituais, Espaços e Patrimônios Escolares) COLUBHE, realizado de 12 a 15 de julho de 212 pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Nº de ID: 468. p.5819 das Atas do Congresso 


 Heloisa Helena Meirelles dos Santos[1]
UERJ
helohmei@gmail.com

Resumo Expandido

Este artigo pretende apresentar possibilidades de investigação da cultura escolar da formação de professores públicos na cidade do Rio de Janeiro, no acervo arquivístico do Centro de Memória Institucional (CEMI) do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ). O acervo é constituído de um século de documentos ali depositados, desde a criação da Escola Normal da Corte, em 1880. Vários são os historiadores da educação a utilizarem fontes oriundas dos arquivos escolares que, por entre papéis, artefatos e outros suportes diversificados apresentam o cotidiano das escolas, o fazer diário de atores, com uma identidade própria carregada de historicidade (MOGARRO, 2005, p.73), que se apropria e se relaciona num microcosmo da sociedade, numa alternância de disciplinas escolares, a criar cultura (CHERVEL,1988). Concebido como espaço de pesquisa e memória onde novas e diferentes fontes tornam-se visíveis, possibilitando a compreensão de muitos aspectos do cotidiano que, por vezes passam despercebidos, este trabalho busca dar visibilidade a documentos do CEMI que revelam de algum modo a cultura escolar. A investigação parte da premissa que artefatos de qualquer suporte, são passíveis de contar uma história e revisitar a memória, revelando processos e atores que as constituem e formalizam (POLLAK, 1989). O acervo encontrava-se disperso em diferentes e variadas salas do prédio do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro. A partir de 2005 foi recolhido ao Centro de Memória Institucional (CEMI) que passou a reunir, catalogar e difundir o arquivo para pesquisadores. Esses documentos permitem a pesquisa de aspetos cada vez mais valorizados pela historiografia da educação. O acervo documental da formação de professores existia, dentre os locais onde se sabia, numa sala da Secretaria Geral da instituição, para alguns poucos pesquisadores que faziam esta solicitação burocraticamente. Eram inúmeros documentos textuais distribuídos em armários de aço, caixas de diferentes tipos e tamanhos, oriundas do fornecimento de merenda e papel, até dezembro de 2005. Os pesquisadores que se aventuraram à pesquisa, antes deste período de criação do CEMI, conviveram com insetos, ratos, poeira e muita desorganização, o que os obrigou a desbravar a montanha de documentos textuais empoeirados para, heroicamente, escrever sobre a formação de professores. Os itens iconográficos se encontravam intocáveis, em grandes armários de vidrarias; em mapotecas com pranchas murais, mapas e projetos de reforma; e  em uma sala fechada, e inacessível por cerca de trinta anos, do Laboratório de Química, pelo que era sabido. O Museu de História Natural, outra parte deste item, ocupava uma sala inteira cercada de armários de jacarandá espelhados por vidro bisotado. Mostrava, além de gavetas e armários agora vazios com pouquíssimos minerais, coleções em caixas de madeira com espécimes reconhecidos através de etiquetas meticulosamente manuscritas a nanquim. No local, ainda, esculturas em gesso e animais de grande, médio e pequeno porte taxidermizados em algum momento da história institucional, visíveis em grandes armários-mostruário. Ao lado deles, espécimes de borboletas, esqueletos articulados e muitos outros artefatos além de vidros com formol contendo sapos, lagartos e demais espécimes da fauna brasileira. A criação do Centro de Memória Institucional obedeceu a uma iniciativa individual de desejar preservar a história do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, que foi apoiada integralmente pela Direção da instituição naquele momento que, não só instalou o CEMI, como o transformou em um setor institucional. Na verdade, ao ser criado, o Centro de Memória Institucional recebeu não só os arquivos de vários setores. Recebeu, também, papéis e objetos recolhidos das caçambas de lixo do ISERJ, ao longo dos anos, por funcionários e professores da escola que os levaram para suas casas, no intuito de proteger algo por eles considerado de importância. Também para o CEMI foram encaminhados, por parte de servidores, ex- alunos e ex-professores, material  por eles utilizado no dia a dia escolar: cadernos, provas, trabalhos e fotos de alunos, uniformes com seus itens de adorno (abotoaduras e placas)... O acervo foi organizado, acessibilizado e difundido pela internet, em site e blog, originando várias monografias, dissertações e teses em universidades do Brasil e exterior durante os seis anos de sua existência. O conjunto arquivístico do CEMI para o estudo da formação de professores se caracteriza não só pela metodologia que emprega, ao dividir o acervo pelas diferentes fases por que passou a instituição, o que demonstra as diferentes políticas públicas, como pela proximidade e interação de fontes de diferentes suportes. O Museu de Equipamentos e Instrumentos Escolares e o Museu de História Natural, que compõem o Centro de Memória Institucional, facilitam e ampliam a integração entre suportes, em um profícuo diálogo que interessa ao investigador. A biblioteca de livros raros, há alguns poucos anos incorporada ao acervo, amplia este conjunto, viabilizando o resultado impresso da experiência educativa: os livros produzidos por professores da escola ao longo da história institucional. Assim, estão lado a lado, por exemplo, a ata de criação da Escola Normal da Corte referendada por Benjamin Constant Botelho de Magalhães e pranchas murais cartonadas do século XIX, produzidas pela Deyrolle para as crianças pequenas; os esqueletos articulados produzidos pela mesma empresa, muito tempo depois, já então designada Les Fils d’Èmile Deyrolle e o livro de 1954, de Balthazar da Silveira, que apresenta uma discussão entre professores sobre alterações no programa de História Natural; as notas fiscais, no Livro das 3ª Vias de Notas, indicando que tipo de carteira se mandava fazer na empresa Móveis e Colchoaria de Bernardino José da Silva, à Rua d’Alfândega, 88, em fevereiro de 1888, ou na Marcenaria e Carpintaria Ernest Dumesnil, à Rua da Ajuda 15, em 1890, para que os futuros professores assistissem aulas na Escola Normal; o Regulamento da Escola Normal que especificava os deveres dos discentes, inclusive e principalmente, no aspeto disciplinar. As vidrarias dos gabinetes de Física e Química permitem se analisadas com o inventário de criação destes, em 1890, cotejar o material comprado na Europa para a instalação dos Gabinetes na Escola Normal. Os ofícios de 1890 possibilitam verificar os meios governamentais colocados à disposição da Escola Normal por Benjamin Constant Botelho de Magalhães, Ministro de Instrução Pública, Correios e Telégrafos, ex- diretor por cinco anos e professor mais antigo dessa instituição, para viabilizar a modernidade republicana através da criação dos gabinetes destas Cadeiras. Os livros de designação (1881-1889 e 1900 - 1910) retratam os docentes e funcionários da Escola Normal, indicando não só seus nomes como as turmas que regeram a cada ano, suas licenças e férias e até seu salário. Mostram também as épocas de grandes indicações políticas que, pela quantidade de professores listados no mesmo período, instigam hipóteses de que eles sequer tenham ali lecionado, pondo em xeque uma memória enquadrada (POLLAK, 1898, p.9). Periódicos de alunos, por exemplo, desvendam as esperanças e anseios das normalistas dos anos de 1930 ou 1960 não só quanto ao seu futuro como às aspirações com a “cívica tarefa” de civilizar e educar o pequenino. Os livros dos professores os apresentam referendados pela posição que ocupavam institucionalmente e a forma de ensinar, o que se acreditava devesse ser apreendido em diferentes temporalidades, para ser posteriormente ensinado, pelas futuras professoras. As pequenas mesas redondas de quatro cadeiras, usadas na Escola de Professores na década de 1930, complementadas pela gravura do livro  Instituto de Educação do Distrito Federal, de Francisco Venâncio Filho (1945) são fontes importantes para contextualização das práticas escolares e  disciplinas ali desenvolvidas. A esse mobiliário, juntam-se as cadeiras universitárias da Universidade do Distrito Federal (UDF), com assento individual e espaço para o tinteiro, mas extremamente pesadas o que, certamente, inviabilizava seu deslocamento. Há muito a fazer em termos de acessibilidade, no que tange ao arquivo escolar do ISERJ sob a guarda do CEMI, o que recente parceria extensionista das universidades locais deve minimizar. Por outro lado tentativas vêm sendo feitas no sentido de restaurar o arquivo textual danificado. No entanto o acervo tem sido utilizado, há seis anos, por pesquisadores brasileiros e estrangeiros de várias instituições e desta forma, cumprido seu papel de reconstituir, em diferentes temporalidades, os fazeres e a cultura da formação de professores, sem financiamento público ou privado. Manter os acervos arquivísticos dentro dos espaços que o geraram, financiando-os para preservá-los, não é, ainda, objeto de discussão dos historiadores, embora a historiografia da educação privilegie suas fontes e objetos. Mas é uma questão relevante a ser discutida.

Centro de Memória Institucional do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro. Formação de professores. Cultura escolar.

O CEMI

            O Centro de Memória Institucional (CEMI) do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ) surgiu de uma iniciativa minha de conhecer a História institucional e a ela não poder ter acessibilidade.
            Propus ao Diretor Geral, em 2005, depois de várias tentativas de acesso aos documentos institucionais, compartilhadas por servidores da Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC), para abrir um Centro de Memória Institucional, onde guardar todos os documentos institucionais de quaisquer suportes, de modo a organizá-los e acessibilizá-los a quem desejasse conhecer a História do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro.
            Aceito o projeto, a Direção Geral do ISERJ providenciou uma sala, no Torreão do prédio central, e um funcionário, professor de História[2]. Nossa tarefa era a de buscar os documentos institucionais de diferentes suportes, em cada setor da unidade escolar.
            Não foi uma fácil empreitada. A instituição ocupa um espaço geográfico de 38 mil metros quadrados e, à época, seus elevadores não funcionavam[3]. Ao mesmo tempo criamos um blog e um site[4] na internet que davam notícias a pesquisadores de diferentes lugares (Brasil, Portugal, Estados Unidos, França, Haiti, México, etc.)[5] sobre os documentos, que estávamos localizando e guardando para acessibilidade, no arquivo.
 Essa visualização permitiu que muitos outros documentos chegassem ao CEMI, oriundos das famílias de ex- professores e ex-alunos, falecidos, que não desejavam desfazer-se do material considerado valioso por quem antes os guardava. Assim o CEMI recebeu cadernos escolares da década de 1930, trabalhos de alunos, livros produzidos por professores, provas escolares, fotos, etc. Foram doados ao CEMI, de 2006 a 2010, os seguintes acervos de professores da instituição: Francisco Mozart do Rego Monteiro, Orminda Isabel Marques e várias ex-alunas. Os arquivos compreendiam: documentos pessoais profissionais manuscritos (a partir de 1916) que incluem as atividades profissionais desenvolvidas no âmbito do magistério e as campanhas em prol do analfabetismo, os elogios funcionais recebidos de Adolfo Bergamini e Anísio Teixeira;  fotos, obra (publicada e “em boneca”, esta última com indicações manuscritas do Prof. Lourenço Filho), trabalhos de alunos; cadernos escolares (1932 a 1935), fotos de formatura, provas escolares (1939 a 1946), livros de memória, etc.
Tinha-se, então, um problema a ser solucionado para que o CEMI pudesse dar certo: a rivalidade dos servidores da instituição. Os funcionários e professores da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEE), servidores a que estava vinculada a instituição até 1997, continuaram trabalhando no Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro quando este foi transferido à vinculação da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro (SECT), passando a compor a rede de escolas e institutos superiores da Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC). Os professores e funcionários da SEE, acreditando que o Instituto fora “tomado” por outra secretaria de estado, inviabilizaram qualquer tentativa de professores e funcionários da FAETEC conhecerem a história e a memória institucional, escondendo documentos e dificultando seu acesso durante longos e penosos anos, o que tem prejudicado, no meu entendimento, a instituição.
            À medida que o CEMI ganhava confiança dos funcionários da Secretaria de Educação como um lugar onde se (res) guardava documentos escolares, foram entregues ao setor apontamentos, em algum momento, descartados por administrações nomeadas pela Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro,[6] que haviam sido resgatados das caçambas de lixo, por estes funcionários, que os levaram para suas casas de modo a preservá-los por acreditarem ser valiosos.
Também foi feita parceria do CEMI com um site nos Estados Unidos[7], onde as fotos de ex-alunos ali disponibilizadas, também passaram a fazer parte do acervo do CEMI. Desta forma, o CEMI recebeu um grande número de documentos imagéticos, originalmente acervos pessoais, já digitalizados, para o acervo.
            O CEMI nunca teve nenhum financiamento para que pudesse funcionar. Eu não tinha a escolaridade necessária (doutorado), e ainda não a possuo, para habilitar-me a fazer projetos institucionais junto às agências de fomento. Houve uma tentativa, em 2007, de uma professora doutora da UERJ que fez um projeto para restauração de documentos do CEMI que não foi aceito pela direção do ISERJ. Houve, também, uma exposição, em 2009, financiada por agência de fomento, como parte de um Congresso Internacional de História da Educação, no entanto, exceto a exposição de seu acervo, o CEMI não recebeu nada em termos de benesse, nem mesmo restauro de material ou, ainda material para limpeza do acervo.
            Todos os materiais até hoje utilizados no CEMI são aqueles usualmente comprados para a unidade escolar, apesar das especificidades do setor, e/ou foram adquiridos por quem trabalhava no setor. Após minha saída do CEMI, o que ocorreu em janeiro de 2012, a coordenação do Centro de Memória coube a uma bibliotecária contratada; não há mais dias designados e horários de abertura do setor ao público e todos os acessos ao conjunto arquivístico por pesquisadores externos devem ser solicitados burocraticamente, sem data prevista para atendimento.
Ainda que o conjunto arquivístico, de diferentes suportes possibilite novas fontes historiográficas, o que atualmente tem sido objeto da atenção de vários historiadores (SOUZA e VALDEMARIM, 2005; MOGARRO, 2006; MOGARRO e MARTINS, 2010; NUNES, 1992; NUNES e CARVALHO, 1993), desde os Analles, na década de 1990, porque estimulam o olhar diferenciado do pesquisador sobre o indivíduo e suas ações no contexto escolar que o cerca, o rico conjunto arquivístico sobre a formação de professores de uma escola centenária corre o risco de perder-se.

História institucional nos diferentes suportes

A constituição de bibliotecas e de arquivos forneceu, assim, os materiais da história (LE GOFF, 1990, p.10)

A história institucional começa a ser contada no  CEMI em um documento manuscrito de capa vermelha, denominado Acta de Inauguração. A abertura deste livro encadernado é assinada por Benjamin Constant, que também apõe sua assinatura nas demais páginas, no alto à direita, legitimando a escrita. O documento relata que foi destinado a inauguração da Escola Normal da Corte. Nesta ata, datada de 5 de abril de 1880, após um espaço significativo, começam as assinaturas. Assinam a ata Álvaro Joaquim de Oliveira, Antonio Pompeu de A. Cavalcante, José Rodrigues de Azevedo (ilegível), Dr. Arnon Ferreira das Neves Armando, Henrique Valentim (ilegível), Arthur Otto Higgins, Bacharel João José Dias (ilegível), Maria do Carmo de Paula Menezes, Ida Angélica Dunham, Alcina da Motta e Silva, Seraphina Augusta Gonzaga, Maria Carolina Alves de Azevedo, Rosa Paula de Viterbo Pereira, Honorina Gabriella Pereira, Sebastião (ilegível), José Antonio Gomes, Raul d`Ávila Pompéia, Aristides Leonardo Pereira dos Santos, Maria Christina Anderett Corrêa, Maria do Carmo (ilegível) B. de Castro, Antonio Borges de Castro, Thereza Barreto Montebello, Antonio (ilegível), Álvaro Soares d´Andrea, Francisco Ignácio Ferreira, Manoel (ilegível) de Araújo Silva. Curiosamente os demais presentes ao evento não assinam, o que provavelmente fariam no espaço em branco, antes das assinaturas ali apostas.  
Há escrituras que, intencionalmente, forjam a memória de alguém ou de algo, perpetuando, com este registro, aquilo que se acreditava devesse ser lembrado, ou melhor, que não pudesse ser esquecido. O ato de preservação da lembrança não é espontâneo ou inconsciente, mas deliberado para servir a alguém ou um grupo com um fim determinado (POLLACK, 1992). É assim, por exemplo, quando um determinado escrito, ou imagem, estabelece uma memória, o que parece ter acontecido com a Ata de Inauguração da Escola Normal da Corte.
Verificando o livro da Porta, documento manuscrito que identifica, por dia, as matrículas e as turmas a partir do ano de inauguração, encontrei, dentre os alunos, aqueles cuja assinatura constava do Livro de Inauguração. Por outro lado, confrontando este documento com Relatórios da Escola Normal, guardados no Arquivo Nacional brasileiro, pude observar que a ata pode ter sido uma escritura, feita por Benjamin Constant, de modo a deixar, entre os papéis da Escola Normal, um que representasse o evento fundador da instituição, com seu nome associado ao fato. A crítica de um fato histórico resulta da interpretação do historiador e o documento não pode ser encarado apenas como monumento de fatos acabados e findos, merecendo uma análise e confrontações (LE GOFF, 1990), o que fiz muitas vezes, para entender documentos e colocá-los em condições de acessibilidade ao pesquisador, e, com a Ata de Inauguração, em especial.
Esta ata, assim como ofícios, livros de designação de professores, as atas da Congregação e dos exames práticos e outros documentos textuais, permitem que seja possível ao pesquisador adentrar no mundo cotidiano da Escola Normal da Corte, tomar conhecimento de seus conflitos, das discussões e do posicionamento da Congregação de seus professores e invadir, através do Regulamento e do Programa de Ensino, textos impressos, o cotidiano da formação de professores na Escola Normal da Corte. Assim, sobre tal temática, já foram produzidos artigos (SANTOS, 2008, 2008ª; BRAGA, 2010, UEKANE, 2005, 2008) e dissertações (UEKANE, 2009 e SANTOS, 2011a) que tiveram por fonte tais documentos.
Se for desejo, e objeto, do pesquisador, o conhecimento da Escola Normal do Distrito Federal, ofícios, Regulamentos, Portarias, Correspondências do período republicano, desde o Governo Provisório, estão disponíveis para o manuseio e consulta. Eu mesma, em diversos artigos, pude utilizar os documentos textuais do CEMI para contar a história da Escola Normal (COELHO, 2007 e SANTOS, 2008a, 2011a, 2011c).
A criação, em 1932, do Instituto de Educação ensejou, também, um número razoável de pesquisas (LOPES, 2007 e BRAGA, 2009) usando como fontes os documentos manuscritos e impressos, que estabeleceram diferenciadas interpretações sobre a instituição e personagens que dela fizeram parte.
Também à disposição de historiadores um rico acervo documental sobre a Universidade do Distrito Federal (UDF)[8] , apresenta, dentre inúmeros documentos, a formação de professores de Matemática (DASSIE, 2008) na Escola de Ciências, com a atuação relevante do professor Euclides Roxo nesta tarefa e a constituição da Biblioteca universitária, com decisiva influência francesa, o que demonstram os inúmeros relatórios do bibliotecário Gastão Cruls e as doações de mais de 90% das obras ali depositadas obtidas nos catálogos franceses através de sua embaixada no Brasil, seja do Governo em França, seja de instituições e pessoas físicas. (SANTOS, 2012).

A cultura escolar nos arquivos

A preocupação com a problemática da cultura escolar despontou no âmbito de uma viragem dos trabalhos históricos educacionais e de uma aproximação cada vez mais fecunda com a disciplina de história,  seja pelo exercício de  levantamento, organização e ampliação da massa documental a ser utilizada nas análises,  seja pelo acolhimento de protocolos de legitimidade da  narrativa historiográfica. (VIDAL e FARIA FILHO, 2004, p. 139)
        
            As fontes do Centro de Memória Institucional do ISERJ, devido à preservação e acessibilidade do acervo documental até 2012, tem sido uma possibilidade concreta de encontro de fontes, ainda não utilizadas por pesquisadores, para narrativas e ressignificações da memória.
O acervo percorre a história da instituição que já foi Escola Normal da Corte (1880-1889), Escola Normal do Distrito Federal (1890-1932), Instituto de Educação (1932-1960), sede da Universidade do Distrito Federal (1935-1939), Instituto de Educação do Estado da Guanabara (1960-1975), Instituto de Educação do Estado do Rio de Janeiro (1975-1997) e hoje é designado Instituto Superior de Educação do Estado do Rio de Janeiro (1997-...).
Estas fontes têm permitido o estudo acadêmico de pesquisadores e novas descobertas historiográficas. Assim, podemos citar, por exemplo, o uso do cotidiário[9] da Escola Primária de 1932, mostrando as dificuldades cotidianas no recém-instalado Instituto de Educação, dirigido por Lourenço Filho, para implementar o paradigma da Escola Nova (BRAGA, 2008).
            Por outro lado, não apenas os documentos textuais permitem ao pesquisador a imersão em um tempo diferente do seu para fazer uma narrativa plausível. Os documentos magnéticos, os imagéticos, os iconográficos, permitem, neste conjunto arquivístico, dados preciosos que podem, e por vezes até o fazem, suscitar novas ressignificações de modo a criar novos caminhos para a pesquisa historiográfica. Neste caso estão os documentos dos Museus de Equipamentos e Instrumentos Escolares e do de História Natural que já permitiram estabelecer que, no ISERJ, está parte do acervo do Pedagogium (SANTOS, 2012b), até então em lugar desconhecido pela historiografia. (BASTOS, 2002).
 Também os Gabinetes de Física e Química puderam ter a história de sua implantação e financiamento contada em um cruzamento de fontes textuais e iconográficas do CEMI que lançaram luz a ações, até então desconhecidas, do então Ministro de Instrução Pública, Correios e Telégrafos, Benjamin Constant Botelho de Magalhães junto a Escola Normal (SANTOS, 2009a).
            Cadernos escolares, provas, carteiras escolares da Escola Primária do Instituto de Educação e da UDF, periódicos de alunos (GRANATO, 2009), tem possibilitado vislumbrar práticas metodológicas e disciplinares, sonhos e expectativas com a difusão do acervo dentre inúmeros pesquisadores de universidades (UERJ, PUC-RJ, UFRJ, Universidade do Texas, Universidade do Porto, UNICAMP, USP, etc.) assim como a incursão em novas fontes de pesquisa, trazendo luz para o cotidiano da escola que durante mais de cento e trinta anos forjou sua cultura escolar nos inúmeros documentos de diferentes suportes abrigados, hoje, no CEMI.

Conclusão
            O CEMI tem possibilitado, durante os quase sete anos de sua existência, que a historiografia que investiga a formação docente na cidade do Rio de Janeiro, possa conhecer, em detalhes ainda a serem investigados, a cultura escolar da Escola Normal da Corte, da Escola Normal da Capital Federal, da Escola Normal do Distrito Federal, do Instituto de Educação, da Universidade do Distrito Federal, do Instituto de Educação do Estado da Guanabara, do Instituto de Educação do Estado do Rio de Janeiro e do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro.
            O rico conjunto arquivístico da formação de professores desta instituição, que já ocupou espaços geográficos distintos na cidade do Rio de Janeiro e já foi designada por vários nomes, vem acumulando, desde 1880, uma cultura escolar diferenciada e, até a abertura do CEMI inexpugnável, ou acessível a poucos, que nesta aventura investiam. Estes documentos têm contribuído para, em sendo o CEMI um lugar de memória, no sentido de Nora (1993), tornar acessível a “história que não é mais”(ibidem,p.9).
Assim, o acervo do CEMI, composto de artefatos de diferentes suportes e de documentos textuais, manuscritos e impressos, têm possibilitado novas incursões historiográficas o que, sem dúvida, enriquece e completa  algumas lacunas da história da educação, especialmente no que tange à formação de professores no Rio de Janeiro.
Existe a preocupação com a manutenção do acervo, assim como com sua acessibilidade aos pesquisadores, pois que não há interesse da atual direção da instituição para tal. É, no entanto, com esperança que, tornando público o  rico acervo existente, este possa ser preservado, ainda que pela instituição mantenedora da unidade escolar, que recentemente tem incentivado a abertura de centros de memória nas escolas e institutos superiores da rede da Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC).

Referências

BASTOS, Maria Helena Câmara. Pro Patria Laboremus: Joaquim José de Menezes Vieira (1848-1897). Bragança Paulista: EDUSF, 2002 p. 280

BENITO, Agustín Escolano. Más Allá Del Espasmo Del presente: La escuela como memória. História da Educação - RHE v. 15 n. 33 Espanha: CEINCE, Jan./abr. 2011 pp. 10-30.

BERTOLETTI, Esther Caldas. Preservação documental: resgatar o passado, facilitar o acesso, construir o futuro. Disponível em
BRAGA, Rosa Maria Souza. Caligrafia em pauta: a legitimação de Orminda Marques no campo educacional. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2008.
__________. A boa letra tem grande importância: Orminda Marques e as prescrições sobre a escrita. Revista Brasileira de História da Educação, SBHE, SP/Campinas: Ed. Autores Associados, 23, 272 p., maio-ago. 2010
CASTRO, Raquel Xavier de Souza e SILVA, Vera Lúcia Gaspar da. Cultura material da Escola: entram em cena as carteiras. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 39, p. 207-224. Editora UFPR, jan./abr. 2011

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação. Porto Alegre, nº 2, pp.177- 229, 1990.

COELHO, Patrícia. A voz do Mestre: trajetória intelectual de Delgado de Carvalho. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2007.

DASSIE, Bruno Alves. Brasil. Euclides Roxo e a constituição da Educação Matemática no Brasil. Tese (Doutoramento em Educação) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, 2008a

___________. A Formação do Professor de Matemática na Escola de Ciências da Universidade do Distrito Federal. Revista Brasileira de História da Matemática - Vol. 8 nº 15 abril/2008 - setembro/2008. p. 13-27

FARIA FILHO, Luciano e VIDAL, Diana Gonçalves. A cultura escolar como categoria de análise e como campo de investigação na história da educação brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n.1,139-159, jan,/abril, 2004

FORQUIN, j. C. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológica do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 11ª Ed.Petrópolis, Rio de Janeiro:Vozes, 1994.


LE GOFF, Jacques. História e Memória. Trad. Bernardo Leitão. Campinas, São Paulo : Editora da UNICAMP, 1990.
           
LOPES, Sonia Maria de Castro Nogueira. A Escola de Educação da UDF: Investigando o acervo documental do Centro de Memória/ ISERJ. In: I Encontro de História da Educação do Estado do Rio de Janeiro, 2007, Niterói. Anais do I Encontro de História da Educação do Estado do Rio de Janeiro. Niterói, 2007.

_______. O periódico Arquivos do Instituto de Educação como lugar de memória. In: MAGALDI, Ana Maria; XAVIER, Libânia. (Org.). Impressos e História da Educação: Usos e destinos. 1ª ed. Rio de Janeiro: 7 Letras/FAPERJ, 2008, pp. 127-151.

MACLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem tradução: Décio Pignatari.  São Paulo: Editora Cultrix, 1969

MEDEIROS, Ruy Hermann Araujo. Arquivos Escolares: breve introdução ao seu conhecimento. III Colóquio do Museu Pedagógico, em 17/11/2003, na Vitória da Conquista, Bahia: Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/UESB Disponível em www.scribd.com/doc/59442375/Arquivos-escolares

MIGNOT, Ana Crystina Venâncio. Papéis guardados. Rio de Janeiro: UERJ/ Rede Sirius, 2003

MOGARRO, Maria João. Cultura material e modernização pedagógica em Portugal(séculos XIX e XX). Educatio Siglo XXI, vol. 28 nº 2, pp. 89-114, 2010

___________.  Arquivos e educação: a construção da memória educativa. Sísifo Revista de Ciências da Educação. Porto Alegre: Escola Superior de Educação de Porto Alegre, pp. 71-85, 2006 Disponível em http://sisifo.fpce.ul.pt Acesso em 09/09/2011

 __________. Arquivos e educação: a construção da memória educativa. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas: Autores Associados; CNPQ, n. 10, Jul./dez, 2005

NORA, Pierre. Entre história e memória: a problemática dos lugares. Revista Projeto História. São Paulo, v. 10, p. 7-28, 1993.

NUNES, Clarice (Coordenadora). Guia Preliminar de Fontes para História da Educação Brasileira. Brasília: INEP, 1992.

__________ e CARVALHO, Marta M. C. Historiografia da Educação e Fontes. In: Cadernos ANPED, nº 5. Porto Alegre, 1993.

POLLAK, Michel. Memória, Esquecimento e Silêncio. Revista Estudos Históricos. CPDOC/FGV: Rio de Janeiro, vol.2, nº 3. 1989, p.3-15

SANTOS, Heloisa H. Meirelles dos. Universidade do Distrito Federal: influência francesa na elite intelectual brasileira (1935-1938). X Congreso Iberoamericano de Historia de la Educación Latinoamericana (C.I.H.E.L.A). Salamanca, Espanha, 2012

_________Congregação da Escola Normal: da legitimidade outorgada à legitimidade (re)conquistada (1880-1910). Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2011a

_________Centro de Memória Institucional: a cultura escolar nos arquivos. EDU. TEC. Revista Científica Digital da FAETEC, v. 01, p. 01, 2011b.

________ . Por trás das janelas na Praça da Aclamação: a Escola Normal republicana. In: VI Seminário Internacional As Redes Educativas e as Tecnologias: práticas/teorias sociais na contemporaneidade, 2011, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro : UERJ, 2011c.

 ________. Contradições e Embates Republicanos em defesa da legitimação: a Congregação da Escola Normal do Distrito Federal (1890-1898). In: VI Congresso Brasileiro de História da Educação: Invenção, Tradição e Escritas da História da Educação no Brasil. 2011, Vitória: Sociedade Brasileira de História da Educação SBHE/Universidade Federal do Espírito Santo UFES, 2011d.
_______   Pedagogium e Escola Normal: investigação de um espólio. Mimeo. 2012b (no prelo)
_______ . Pelos vapores do progresso: a implantação dos Gabinetes de Física e Química na Escola Normal do Distrito Federal. In: IX Congresso Iberoamericano de História da Educação Latino-Americana, 2009, Rio de Janeiro. IX CIHELA Educação, Autonomia e Identidades na América Latina. Rio de Janeiro : Clone Carioca Serv. Multimidia Ltda, 2009a.
______ . Centro de Memória Institucional do ISERJ: Breve Balanço de uma Iniciativa de Preservação. In: Exposição Um Olhar sobre o Instituto de Educação: Entre Acervos, Memória e História, 2009, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Marcelo da Cruz Silva, 2009b.

________. Ofícios de um cidadão republicano: a trajetória profissional de Luiz Nazareth na Escola Normal. In: III Congresso [Auto] Biográfico: formação,territórios e saberes, 2008, Natal. III CIPA (Auto) Biografia: formação, territórios e saberes. Natal: UFRN, 2008a.

______. Entre papéis de memória: A Congregação da Escola Normal da Corte. In: V Congresso Brasileiro de História da Educação, 2008, Aracaju. SBHE V Congresso Brasileiro de História da Educação. O Ensino e a Pesquisa em História da Educação. Aracaju: SBHE / Universidade Federal de Sergipe, 2008

SILVA, F. C. T. Cultura escolar: quadro conceitual e possibilidades de pesquisa. Educar, n. 28, p. 201-216. Paraná, Curitiba: Editora UFPR, 2006

SILVA, Maria Carolina Granato da. Memória e História Imediata da profissão docente: estudantes de formação de professores. In: IX Congresso Iberoamericano de História da Educação Latino-Americana, 2009, Rio de Janeiro. IX CIHELA Educação, Autonomia e Identidades na América Latina. Rio de Janeiro : Clone Carioca Serv. Multimidia Ltda, 2009.


SILVEIRA, Alfredo Balthazar. História do Instituto de Educação. Rio de Janeiro : Instituto de Educação, 1954

SOUZA, Rosa Fátima de e VALDEMARIN,Vera Tereza (orgs). A cultura escolar em debate: questões conceituais, metodológicas e desafios para a pesquisa. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2005

UEKANE, Marina Natsume. Instrutores da Milícia Cidadã: a Escola Normal da Corte e a Profissionalização de Professores Primários (1854-1889).Dissertação de Mestrado. UERJ. Rio de Janeiro: UERJ, 2009         

___________ e GONDRA, José Gonçalves. Normalistas em pauta. Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional Brasileira, 2009b

__________ e GONDRA, José Gonçalves Em nome de uma formação científica: um estudo sobre a Escola Normal da Corte. Revista do Centro de Educação. Rio Grande do Sul: UFSM. Vol.30 nº 2, jul/dez, 2005



VENÂNCIO FILHO, Francisco. Instituto de Educação do Distrito Federal. Estados Unidos da América, Nova Iorque: Liga das Nações, 1945

UEKANE, Marina Natsume. Instrutores da Milícia Cidadã: a Escola Normal da Corte e a Profissionalização de Professores Primários (1854-1889).Dissertação de Mestrado. UERJ. Rio de Janeiro: UERJ, 2009

VIDAL, Diana e FARIA FILHO, Luciano Mendes. A cultura escolar como categoria de análise e como campo de investigação na história da educação brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.1, p. 139-159, jan./abr. 2004


[1] Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação (PROPEd) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) na linha de pesquisa Instituições, Práticas Escolares e História. Mestre em Educação pela UERJ. Criou  e dirigiu o Centro de Memória Institucional do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, até janeiro de 2012.
[2] Professora Walkyria Lobão Rocha.
[3] Os elevadores da instituição, com todos os componentes importados, fabricados pela Otis Elevator Company, firma americana, foram dos primeiros instalados no Brasil, sendo o primeiro o do Palácio das Laranjeiras, em 1906. Os elevadores instalados na Escola Normal do Distrito Federal em 1927, são anteriores ao do Empire State Building, em Nova Iorque, Estados Unidos da América e da Torre Eifel, em Paris, França.
[5] O blog, desde 2006, tem, até 2012, mais de 50 mil acessos e 395 postagens. (Google Analytics)
[6] Durante as décadas de 1970 a 1980 a instituição ficou abandonada à própria sorte inclusive no que tange à manutenção do prédio histórico tombado que chegou a ser escorado para evitar desmoronamento. Neste período as administrações do Instituto de Educação tinham apenas vínculos políticos sem maiores compromissos com a história e memória institucionais.
[8] Catalogado sob a coordenação do Professor Doutor Bruno Dassie, com um grupo de professores do curso superior do ISERJ.
[9] Livro ou caderno de escrita informal, utilizado para registrar, cotidianamente, fatos ocorridos em um turno ou outro, ou em um setor ou outro, de modo a levar adiante uma dada informação.
Postar um comentário