Pesquisar este blog

sábado, 24 de março de 2012

Centro de Memória Institucional: descoberta de novas fontes nos arquivos escolares do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro


 
Heloisa Helena Meirelles dos Santos[1]
CEMI/ISERJ


Resumo
Identificar novas fontes para o estudo historiográfico da cultura escolar no conjunto arquivístico do Centro de Memória Institucional (CEMI) do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro é o objetivo deste artigo. A investigação parte da premissa que artefatos de memória de qualquer suporte, inclusive os de significado simbólico, são passíveis de contar uma história e revisitar a memória. Assim, a preservação e acessibilidade do acervo documental existente no CEMI, é uma possibilidade concreta de encontro de fontes, ainda não utilizadas por pesquisadores, para narrativas e resignificações da memória. Tal acervo percorre a história da instituição que já foi Escola Normal da Corte (1880-1889), Escola Normal do Distrito Federal (1890-1932), Instituto de Educação (1932-1960), sede da Universidade do Distrito Federal (1935-1939), Instituto de Educação do Estado da Guanabara (1960-1975), Instituto de Educação do Estado do Rio de Janeiro (1975-1997) e hoje é designado Instituto Superior de Educação do Estado do Rio de Janeiro (1997-...). Estas fontes têm permitido o estudo acadêmico de inúmeros pesquisadores, sob óticas diferenciadas, de novas descobertas historiográficas.

Palavras-chave: Centro de Memória Institucional (CEMI); cultura escolar; fontes historiográficas.


Registros humanos

Recorrer ao registro da vida faz parte do hábito humano para organizar melhor o dia a dia, ou enfatizar um evento importante para si, ou a comunidade, sem a preocupação de perenizá-lo. Por isso antropólogos encontram, nas pinturas parietais rupestres, os hábitos cotidianos de caça e pesca dos primeiros homo sapiens. Também na Antiguidade era costume gravar nas paredes dos túmulos dos faraós cenas que imortalizassem seus feitos, e outras que lembrassem o período cotidiano de suas vidas. O registro humano, no entanto,  depende da interpretação que dele faz o investigador porque este registro não tem só um sentido, razão pela qual precisa estar acompanhado de outros registros (textuais, magnéticos, imagéticos,etc.) que complementem ou permitam a narrativa historiográfica.
O hábito do registro através da escritura surge após a dominação da escrita pelo homem, e permanece até nosso tempo, de forma despreocupada, quando anotamos um lembrete, quando deixamos um bilhete para alguém no trabalho e quando usamos a agenda para não esquecer os compromissos e assinalar o que não podemos esquecer. Esses papéis, se guardados, intencionalmente ou não, carregam a memória do que aconteceu. No tempo em que as cartas eram um eficiente meio de comunicação entre pessoas distantes, elas foram objetos de investigação de muitos pesquisadores que deram divulgação à escrita íntima e desta forma, invadiram um pouco, ou muito, o espaço particular daquele que escrevia para interpretar, ou revisitar o momento da escritura.
Há, no entanto, escrituras que, intencionalmente, forjam a memória de alguém ou de algo, perpetuando, com este registro, aquilo que se acreditava devesse ser lembrado, ou melhor, que não pudesse ser esquecido. Pollack (1992) explica que o ato de preservação da lembrança não é espontâneo ou inconsciente, mas deliberado para servir a alguém ou um grupo com um fim determinado. É assim, por exemplo, quando um determinado escrito, ou imagem, estabelece uma memória. Tal estratégia foi usada pelo regime republicano ao fazer fotografar o movimento de 15 de novembro, cinco anos depois do acontecimento, para que a memória da foto, e posteriormente da pintura, perenizasse o evento.
 Vi um documento deste tipo no CEMI. Um livro designado Ata de Inauguração, confeccionada por Benjamin Constant Botelho de Magalhães. Ali, abaixo de um pequeno texto que descreve, pelo olhar de Benjamin,  a inauguração da Escola Normal da Corte, há, depois de um espaço vazio, assinaturas dos que teriam presenciado o ato. No alto da página, à direita, a assinatura Benjamin Constant, ratifica o texto. Na abertura do livro a explicação que aquele era o livro de criação da Escola Normal da Corte referendada, também, pela assinatura deste ex-diretor. Esse livro foi citado por Francisco Venâncio Filho em 1945, como Ata de Inauguração. O documento esteve por muito tempo desaparecido nos 38 mil metros quadrados do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, até que, depois de muita procura, foi encontrado na Secretaria Geral. Ao tê-lo às mãos e lê-lo, imediatamente considerei ter sido encontrado um item de suporte textual de memória valioso: a inauguração da Escola Normal da Corte. Como sempre faço instigada pela pesquisa, comecei a procurar quem seriam os convidados que assinaram a ata. Achei-os todos no Livro da Porta[2]: eram alunos da Escola Normal. Por outro lado, a data mencionada como do evento, era 5 de abril. No Relatório Ministerial do Império, do acervo textual do Arquivo Nacional brasileiro, com um anexo “Dos Sucessos mais Notáveis do ano de 1880”, relatado por Carlos Maximiliano Pimenta de Laet, a data do evento era de 6 de abril. Percebi então que a Ata de inauguração era uma memória de Benjamin Constant para a posteridade, lembrando o que ele desejava fosse lembrado: a inauguração da Escola Normal da Corte, no dia 5 de abril com a presença dele associada ao evento. [3]No mesmo livro, colado com durex, um convite para a inauguração do prédio da Rua Mariz e Barros, em 1930, que nunca foi concretizado, porque uma administração saia e uma revolução estava em curso. Também aí uma memória construída, por um grupo de indivíduos, para ser lembrada na posteridade.
As novas fontes encontradas nos arquivos escolares têm sido objeto de investigação de pesquisadores (SOUZA e VALDEMARIM, 2005; MOGARRO, 2006; MOGARRO e MARTINS, 2010; NUNES, 1992; NUNES e CARVALHO, 1993) desde os Analles, na década de 1990, porque estimulam o olhar diferenciado do pesquisador sobre o indivíduo e suas ações no contexto escolar que o cerca. As novas fontes reveladas nestes acervos possibilitam, assim, um mais amplo estudo das instituições educacionais que as originaram, especialmente nas relações cotidianas que ali se estabeleceram, e que formaram, com a participação individual e coletiva de cada sujeito, a cultura escolar.
           
As fontes do CEMI
Nacemos, como advirtió el poeta Rainer María Rilke, en un mundo interpretado, pero tenemos al tiempo necesidad de liberarnos de los corsés con que se nos quiere hacer inteligible, y en consecuencia hemos de construir con nuestro esfuerzo, personal o compartido, una nueva lectura de las cosas, de las palabras y de nosotros mismos. (BENITO, 2011, p.12)

Ao começar a manusear os documentos que compuseram o Centro de Memória Institucional do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (CEMI) [4] para separá-los e catalogá-los, vi a possibilidade de conhecer um pouco da história institucional, contida em documentos ordinários, guardados por muito tempo, amarelecidos e precariamente conservados, que o ISERJ parecia desconhecer. Assim, a reunião e leitura destes papéis possibilitaram [desvelar] segredos, [rever] emoções, [conhecer] sonhos, expectativas, projetos, costumes e práticas (MIGNOT, 2003, p.5).
Até a criação do CEMI, a instituição mantinha os documentos de seu acervo misturados, portanto inacessíveis em sua quase totalidade e, por conseqüência, desconhecidos. Por outro lado, grande parte deste acervo também esteve “escondida”, por funcionários do educandário, das investidas de diferentes administrações institucionais que determinaram o fim de tantos papéis e livros antigos. A pesquisa da história institucional até 2006, por tudo isso, foi feita de forma bastante difícil, o que não permitia que, mesmo trabalhando na escola, se pudesse conhecer grande parte dos documentos do acervo escolar. Por isso usou-se para pesquisas anteriores, principalmente o que estava disponível nos demais lugares de memória[5], e pouca informação, apenas o que se conseguia encontrar, do acervo escolar. Também a acessibilidade dos pesquisadores aos arquivos dependia de processos administrativos burocratizados no trâmite institucional cujo resultado, normalmente pronunciado por um burocrata, nem sempre atendia aos prazos da pesquisa, o que afastava, ainda mais, o pesquisador das importantes e riquíssimas fontes de uma centenária instituição pública de formação de professores.
            O trabalho com os arquivos do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ex-Escola Normal da Corte, ex- Escola Normal da Capital Federal, ex- Escola Normal do Distrito Federal, ex- Instituto de Educação, ex- Instituto de Educação do Estado da Guanabara, ex- Instituto de Educação do Estado do Rio de Janeiro e sede e parte, através da Escola de Professores, da UDF[6]) possibilitam uma fértil pesquisa com uma diversidade de fontes, em diferentes suportes, sobre a formação de professores e a cultura escolar institucional em mais de cento e trinta anos.
Através da vidraria encontrada no Laboratório de Física e encaminhada ao CEMI, do inventário deste Laboratório e dos ofícios do Diretor do período, fontes de suportes distintos, pude verificar que o Ministro de Instrução Pública, Correios e Telégrafos, Benjamin Constant Botelho de Magalhães, em 1890, mobilizou imensos recursos financeiros e materiais da República, após alguns meses de implantação deste regime, para criar na Escola Normal os gabinetes de Física e Química, símbolo da modernidade que o regime republicano desejava alcançar.(SANTOS, 2009ª )
Este diálogo entre suportes é comum  e necessário para fugir ao que Foucault (1994, p.148) chamou de escrita disciplinar porque se atem à moldura de seu suporte sem possibilidade de integrar-se com os demais artefatos e suportes existentes. O que no CEMI é facilitado pelo fato de documentos textuais estarem lado a lado com artefatos do Museu de Instrumentos e Equipamentos Escolares e do Museu de História Natural.
Pelo Livro da Porta, como era designado o registro de matrículas, soube que o primeiro aluno a matricular-se em 1880 na Escola Normal da Corte era um rapaz e não uma moça. Da mesma forma verifiquei que o número de alunos do sexo masculino foi maior do que o feminino nos primeiros anos da Escola Normal da Corte e que tal situação vai se modificando, especialmente, após a república. Descobertas que modificam hipóteses divulgadas de feminização deste curso de formação desde o seu início, e que somente vai fazer parte da História institucional a partir do início  do século XX, com a profissionalização e feminização do magistério primário.
Pelas Atas da Congregação foi possível verificar os embates dos professores intelectuais que a compunham, com a Direção da Instrução Pública em busca permanente de sua legitimação, assim como a retórica, como estratégia destes intelectuais, para defender seus pontos de vista. (ibid, 2009b)
Através de um livro de registros cotidianos da Escola Primária do Instituto de Educação (um cotidiário[7]), foi conhecido e divulgado pela historiografia que a implantação do ideário escolanovista foi difícil: faltavam professores na Escola Primária, os professores que existiam não eram assíduos, e a direção da escola se manifestava, preocupada, por ser aquela a escola de aplicação de conhecimentos teóricos e modelo do ensino escolanovista, cobrando da Direção do professor Lourenço Filho as providências necessárias, através da escritura diária informal deste livro de registros. (BRAGA, 2008)
Pelo Livro de Exames de Práticas Escolares, foi possível saber que a banca destes exames incluía as diretoras das escolas modelo onde era realizado o evento, assim como professores convidados. Também se percebe que o Pedagogium participava, não só cedendo espaço físico, como encaminhando representantes e compondo  bancas. Dentre as bancas ali listadas nos diversos exames de 1902 a 1908, aparecem, dentre outros, Menezes Vieira, Manuel Bonfim e Olavo Bilac.
As hermas, fontes iconográficas, ainda hoje dispostas no espaço físico do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, permitem saber quem as doou se confrontadas ao suporte textual do Livro de Ofícios do Diretor, de 1934, que engloba os ofícios da gestão do professor Manuel Begström Lourenço Filho. É o caso da herma do Padre José de Anchieta, doada pela Associação de Ex-Alunos, em 1934, por ser o homenageado patrono do magistério. Somente o pedestal foi ali construído pela Prefeitura, conforme o pedido do Diretor, em ofício. [8] Também a herma de Benjamin Constant, primeiro diretor da Escola Normal da Corte, foi instalada em comemoração ao centenário de nascimento daquela direção, conforme o Livro de Ofícios de 1936.
Outra fonte rica de informações pouco utilizadas pela historiografia, até pelo seu habitual descarte, são os cadernos escolares, que recebemos da família da ex-aluna Darcy Motta. São  cadernos de diferentes disciplinas com trabalhos[9] feitos pela aluna entre 1934 e 1939, que possibilitaram descobrir que a disciplina Trabalhos de Agulha, da grade curricular desde a Escola Normal da Corte, ainda era ministrada em 1935, mesmo não constando do currículo escolanovista e fosse encarada, a partir da década de 1930 quando o movimento feminista eclode, um trabalho afeito à cultura de submissão da mulher, com o que concordavam os próceres deste movimento no Brasil. (SANTOS, 2011 a)

Exposição Permanente
Fonte: Acervo pessoal. CEMI. Móveis escolares. 
(Década 1930, as cadeiras foram compradas para a UDF)


As provas escolares, outra fonte raramente encontrada nos acervos escolares, escritas a lápis e corrigidas com lápis de colorir vermelho, do acervo Maria José de Brito,  doadas pela família da ex-aluna do Instituto de Educação, em 1940, permitem ver a 2ª guerra mundial de forma idílica, porque a redação deste tema expressa sentimentos de quem houve falar dela, mas não a conhece. Completamente diferente dos tempos de hoje onde cada investida bélica cada morte, cada lar destruído, entra, pela TV em nossas casas, em tempo real. No entanto, o retrato da 2ª Grande Guerra Mundial, expressiva daquela época, e pouco acessível às normalistas, ficou nas provas de Português de Maria José.
Pelos livros, quando os colocamos junto a outros textos, estabelecendo um profícuo diálogo, podemos imaginar, aula a aula, do programa do Professor-mestre da Cadeira de Música, Miguel Cardoso, da Escola Normal da Corte, em 1880; não só pela obra, mas também pelo planejamento[10] deste professor. Cada solfejo, cada clave, cada nota, traz, nas páginas amarelecidas do volume, as aulas dele na Escola Normal, situada, então na Escola Politécnica, no Largo de São Francisco.
 Assim, como quando associamos ao livro de Francisco Venâncio Filho (1945) às “cabecinhas” que tanto encantam quem visita o CEMI. As “cabecinhas”, provavelmente as mesmas compradas pela Direção da Instrução Pública para as escolas de 2º Grau como modelos em gesso de León Chedeville, foram usadas também, como mostra a figura no livro de Venâncio Filho, na sala de Sociologia da Escola de Professores em 1934.(ibid, 2011e)

Fonte: CEMI Cabeças de gesso com modelos de diversas etnias (acervo pessoal)


Pelas plantas de hidráulica, de eletricidade, arquitetônicas, pelos projetos de construção da escola, desde 1927, quando o terreno foi comprado,[11] estão registradas cada pequena reforma por que passou o prédio da Rua Mariz e Barros, 273. Estas plantas, em 2004, iam encher uma caçamba de lixo. Fui eu mesma quem as escondeu. Elas permitem ver os espaços que a escola ocupava, assim como a metodologia usada: havia gabinetes para as disciplinas. No pátio há previsão de uma quadra de tênis, assim como a planta da casa do zelador, com três quartos e 100 m 2 de construção.
Pelas imagens de inúmeros retratos podemos observar as atividades feitas pelas crianças usando metodologia  Froebel, durante o período escolanovista. (década 1940). Tais imagens estiveram escondidas, para sua preservação e impossibilidade de descarte, no forro do telhado da Pré-Escola, agora Educação Infantil, e foram encaminhadas à guarda do CEMI em 2006, pelas professoras deste segmento do ensino.
As terceiras vias das Notas Fiscais, da Escola Normal da Corte permitem não só conhecer os estabelecimentos com que a Escola se relacionava comercialmente, como os objetos que comprava para atividades rotineiras. Indicam, também, os livros que a instituição mandara importar; o tipo de material comprado (como os armários da empresa O Encharcado que vendeu os armários mostruários que ainda hoje temos) e o que existia à época de material didático. Também os reparos e consertos, geralmente efetuados pelo dono da empresa, tornam-se conhecidos pelas notas fiscais. Um piano, por exemplo, foi consertado em 31 de dezembro, o que hoje, certamente, não  seria um dia  apropriado para este conserto. Sabe-se, por estas notas fiscais, que a maioria dos livros usados na Escola Normal da Corte era importada da França através de lojas especializadas no Rio de Janeiro e em Paris. (ibid, 2008b)
As pranchas parietais da Maison Deyrolle não só comprovam que a Escola Normal do Distrito Federal recebeu o espólio do Pedagogium (SANTOS, 2011b) como identificam o método intuitivo usado como metodologia deste ensino: o aprender através dos sentidos. Várias pranchas mostram, para ver, apalpar e até cheirar, itens de estudo da História Natural. Outras pranchas, com a procedência da Maison, trazem por subtítulo  Musées Scolaire Èmile Deyrolle, ou Les Fils Èmile Deyrolle ou, ainda, Etablissements Deyrolle. Estas pranchas estavam cobrindo um armário sem vidro no Laboratório de Ciências e foram encaminhadas, como descarte, ao CEMI.
Outra nova fonte, instigadora de muitas questões, foi uma placa de madeira, coberta por um retângulo de prata cortado diagonalmente por uma pena de escrever dourada, ainda com alguns vestígios da pena, já desgastada e sem cor, no final do instrumento de escrita. A inscrição disposta no retângulo de placa foi endereçada ao Ministro da Instrução Pública, Correios e Telégrafos, Benjamin Constant Botelho de Magalhães, em 15 de janeiro de 1891, parabenizando-o pela criação do Pedagogium. Assinava Menezes Vieira, diretor do Pedagogium. Por que uma placa para Benjamin Constant estaria na Escola Normal em 1891? (ibid, 2011e). Esta placa foi encontrada em espaço institucional pela Direção Geral. Pude  fotografá-la em 2008, o que me possibilitou responder algumas questões sobre o espólio do Pedagogium, não consta do acervo do CEMI.
Cada fonte instiga o pesquisador, como eu mesma fiz, a pesquisar outras. De suportes diferentes, ou do mesmo suporte, que permita descortinar um pouco mais da cultura escolar do, hoje, Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro. Estas fontes podem estar no CEMI e/ou completar-se, com outras, de outros lugares de memória. Foi assim quando investiguei os ofícios minuciosos de Luiz Carlos da Silva Nazareth, Diretor Vitalício da Escola Normal do Distrito Federal, em 1897. Recorri a Relatórios da Instrução Pública, disponíveis on line pela Universidade de Chicago (os originais constam do acervo do Arquivo Nacional brasileiro) e ao NUDOM (Núcleo de Documentação) do Colégio Pedro II, para complementar a escrita de si que Nazareth fizera nos ofícios que expediu. (ibid, 2008b)
Do mesmo modo, nos diferentes periódicos dos alunos do Instituto de Educação (Tangará, Estrela Azul, Instituto, etc.) pode-se acompanhar o pensamento da juventude que ocupava os bancos escolares do Instituto de Educação. As futuras professoras do Distrito Federal e do Estado da Guanabara contavam seus sonhos e anteviam seu dourado futuro (SILVA, 2009). São esperanças, aspirações, decepções, interesses, que definem não só uma temporalidade mas também a idade de quem ali escreveu para muitos lerem, em um tempo bem anterior ao que MacLuhan chamou de “fama dos quinze minutos”[12] . Também periódicos institucionais foram visitados, respondendo a instigações de pesquisas diversas, ou apenas como depositários da memória escolar, através das análises realizadas, para conhecer as atividades que a escola desenvolveu e o posicionamento de professores sobre assuntos variados (LOPES, 2008).
            A UDF foi pesquisada através dos inúmeros documentos encontrados no CEMI possibilitando saber seus reitores e a ordem em que dirigiram a instituição, assim como a troca de correspondência entre professores europeus e a reitoria para a realização de cursos no Brasil. (LOPES, 2007)[13]
            As fichas funcionais, encaminhadas ao CEMI pelo Departamento de Pessoal do Instituto Superior de  Educação do Rio de Janeiro, permitiram conhecer, funcional e biograficamente, professores que estavam sendo pesquisados. Fizeram parte de pesquisas, como fontes, as fichas dentre outros de: Euclides Roxo (DASSIE, 2008), Delgado de Carvalho (COELHO, 2007), Anísio Teixeira, Ignácio Azevedo do Amaral, Afrânio Peixoto, Vicente Tapajós, Edgard Sussekind de Mendonça, Raul Moreira Lellis, Janetta Budin, Eneias Martins de Barros, Mário da Veiga Cabral, Padre Álvaro Negromonte, Lourenço Filho, Heloisa Marinho, Orminda Isabel Marques (BRAGA, 2008) e Alfredo Balthazar da Silveira.[14]

Conclusão
Acudiendo a la memoria percibimos la historicidad de nuestra existencia y de la vida colectiva y ponemos en valor la escuela como elemento constitutivo de esta memoria que es cultura, y como tal, patrimonio comunitario a preservar y difundir. La educación patrimonial es una nueva dimensión de la formación para la ciudadanía en toda democracia avanzada, un nuevo vector de ilustración y modernidad. (BENITO, 2011, p.29)

             Um acervo escolar precisa ser acessível  e disponibilizado a todos que por ele se  interessem, porque, como explica Benito (2011), a escola faz parte da cultura que forja nossa identidade­. Cada escritura, imagem, ou artefato, conta uma história ou ainda, complementa a história, de uma cultura vivenciada por um grupo de indivíduos, coletiva ou individualmente, dentro da escola. Burocratizar o acesso, sonegar as informações é, de certo modo encobrir a história da educação brasileira. É impossibilitar o acesso à cultura, é privar o indivíduo de um aspecto identitário que a escola formou.
            O acervo do CEMI tem possibilitado, desde 2005, consulta a fontes pouco visitadas e certamente, enriquecedoras das investigações, assim, inúmeras instituições acadêmicas ou não, tem se beneficiado deste acesso: UERJ, ISERJ, UFRJ, PUC, USP, University of Texas (Austin, Texas, EUA), Universidade do Porto (Porto, Portugal), UNICAMP, UFF, IMPA,  UESC, Fundação Joaquim Nabuco, TV Globo, entre outras.
             Quando o CEMI foi aberto vi, com prazer, muitas fontes textuais e iconográficas voltarem á escola: muitos objetos, fotos, papéis, livros, que tinham sido “escondidos” durante muito tempo por funcionários cuidadosos. Era o material constante das caçambas de lixo que ressurgia, trazidos por funcionários e professores. Recebi, assim, vitrola, discos, retratos (caixas e caixas), slides de vidro (inúmeros), livros, cartas, vidrarias, trabalhos de aluno, pranchas parietais...
Enfim a memória retornava trazida pelas mãos de quem acreditava que cada item daquele era precioso. Mas há, ainda, quem acredite, na comunidade escolar de hoje, que artefatos são apenas objetos e desta forma os descartam, ou os retém, impedindo a consulta às fontes. Acreditamos, no entanto, que esse pensamento, com o tempo tem sido desfeito, possibilitando ao CEMI novos artefatos e ao Instituto Superior de Educação dó Rio de Janeiro a preservação de sua cultura escolar e de sua identidade.
            O CEMI recebeu, também, de famílias de ex-normalistas, a memória mantida durante anos revelando relações de afetividade entre a escola e um de seus segmentos partícipes. Assim, da família da professora Orminda Isabel Marques, veio uma coleção, que leva o nome desta ex-normalista, composta de retratos, livro “boneca” com correções de Lourenço Filho, livro de autoria de Orminda, trabalhos, vários, de suas alunas na década de 1930. Como também chegaram ao CEMI inúmeras fotos de ex-normalistas, de diferentes épocas, através de uma parceria com o blog de uma ex-normalista do Instituto de Educação, o Amigas para Sempre.
            Mas o descarte intencional ainda ocorre, há também artefatos que “desaparecem”, talvez retirados por quem sabe o valor do que tem em mãos. Outros que, face à condição precária de seu suporte, degradam-se, viram pó. Ainda não existe, infelizmente no Brasil, uma política de descarte que preserve os acervos das escolas.
            Ter um acervo público tão precioso quanto o que está no CEMI é uma responsabilidade institucional, porque implica em restaurar, preservar, dar espaço, acessibilizar. É preciso que outros lugares de memória sejam abertos nas escolas para que a historiografia possa partilhar fontes ainda desconhecidas.        
Há muito a fazer para disponibilizar essas novas fontes para pesquisas historiográficas. Há pouco tempo e praticamente nenhum dinheiro para “salvar” as novas fontes que cada acervo escolar pode apresentar. Que as pessoas que se importam, de cada instituição escolar, preservem, do melhor modo possível, o acervo de sua instituição e o exponha, acessível, a todos que se interessem, e sobre ele escrevam, para academicamente, dar ciência dos seus achados. É o que no CEMI estamos tentando fazer desde 2005.

Referências
BENITO, Agustín Escolano. Más Allá Del Espasmo Del presente: La escuela como memória. História da Educação - RHE v. 15 n. 33 Espanha: CEINCE, Jan./abr. 2011 pp. 10-30.

BERTOLETTI, Esther Caldas. Preservação documental: resgatar o passado, facilitar o acesso, construir o futuro. Disponível em
BRAGA, Rosa Maria Souza. Caligrafia em pauta: a legitimação de Orminda Marques no campo educacional. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2008.
CASTRO, Raquel Xavier de Souza e SILVA, Vera Lúcia Gaspar da. Cultura material da Escola: entram em cena as carteiras. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 39, p. 207-224. Editora UFPR, jan./abr. 2011

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação. Porto Alegre, nº 2, pp.177- 229, 1990.

COELHO, Patrícia. A voz do Mestre: trajetória intelectual de Delgado de Carvalho. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2007.

DASSIE, Bruno Alves. Brasil. Euclides Roxo e a constituição da Educação Matemática no Brasil. Tese (Doutoramento em Educação) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC-Rio, 2008

FARIA FILHO, Luciano e VIDAL, Diana Gonçalves. A cultura escolar como categoria de análise e como campo de investigação na história da educação brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n.1,139-159, jan,/abril, 2004

FORQUIN, j. C. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológica do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 11ª Ed.Petrópolis, Rio de Janeiro:Vozes, 1994.

LOPES, Sonia Maria de Castro Nogueira. A Escola de Educação da UDF: Investigando o acervo documental do Centro de Memória/ ISERJ. In: I Encontro de História da Educação do Estado do Rio de Janeiro, 2007, Niterói. Anais do I Encontro de História da Educação do Estado do Rio de Janeiro. Niterói, 2007.

_______. O periódico Arquivos do Instituto de Educação como lugar de memória. In: MAGALDI, Ana Maria; XAVIER, Libânia. (Org.). Impressos e História da Educação: Usos e destinos. 1ª ed. Rio de Janeiro: 7 Letras/FAPERJ, 2008, pp. 127-151.

MACLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem tradução: Décio Pignatari.  São Paulo: Editora Cultrix, 1969

MEDEIROS, Ruy Hermann Araujo. Arquivos Escolares: breve introdução ao seu conhecimento. III Colóquio do Museu Pedagógico, em 17/11/2003, na Vitória da Conquista, Bahia: Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/UESB Disponível em www.scribd.com/doc/59442375/Arquivos-escolares

MIGNOT, Ana Crystina Venâncio. Papéis guardados. Rio de Janeiro: UERJ/ Rede Sirius, 2003

MOGARRO, Maria João. Cultura material e modernização pedagógica em Portugal(séculos XIX e XX). Educatio Siglo XXI, vol. 28 nº 2, pp. 89-114, 2010

___________.  Arquivos e educação: a construção da memória educativa. Sísifo Revista de Ciências da Educação. Porto Alegre: Escola Superior de Educação de Porto Alegre, pp. 71-85, 2006 Disponível em http://sisifo.fpce.ul.pt Acesso em 12/03/2010

 __________. Arquivos e educação: a construção da memória educativa. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas: Autores Associados; CNPQ, n. 10, Jul./dez, 2005

NORA, Pierre. Entre história e memória: a problemática dos lugares. Revista Projeto História. São Paulo, v. 10, p. 7-28, 1993.

NUNES, Clarice (Coordenadora). Guia Preliminar de Fontes para História da Educação Brasileira. Brasília: INEP, 1992.

__________ e CARVALHO, Marta M. C. Historiografia da Educação e Fontes. In: Cadernos ANPED, nº 5. Porto Alegre, 1993.

POLLAK, Michel. Memória, Esquecimento e Silêncio. Revista Estudos Históricos. CPDOC/FGV: Rio de Janeiro, vol.2, nº 3. 1989, p.3-15

SANTOS, Heloisa H. Meirelles dos. Congregação da Escola Normal: da legitimidade outorgada à legitimidade (re) conquistada (1880-1910). Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2011a

_________Centro de Memória Institucional: a cultura escolar nos arquivos. EDU. TEC. Revista Científica Digital da FAETEC, v. 01, p. 01, 2011b.

________ . Por trás das janelas na Praça da Aclamação: a Escola Normal republicana. In: VI Seminário Internacional As Redes Educativas e as Tecnologias: práticas/teorias sociais na contemporaneidade, 2011, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro : UERJ, 2011c.

 ________. Contradições e Embates Republicanos em defesa da legitimação: a Congregação da Escola Normal do Distrito Federal (1890-1898). In: VI Congresso Brasileiro de História da Educação: Invenção, Tradição e Escritas da História da Educação no Brasil. 2011, Vitória: Sociedade Brasileira de História da Educação SBHE/Universidade Federal do Espírito Santo UFES, 2011d.
_______     Pedagogium e Escola Normal: investigação de um espólio. Mimeo. 2011e
_______ . Pelos vapores do progresso: a implantação dos Gabinetes de Física e Química na Escola Normal do Distrito Federal. In: IX Congresso Iberoamericano de História da Educação Latino-Americana, 2009, Rio de Janeiro. IX CIHELA Educação, Autonomia e Identidades na América Latina. Rio de Janeiro : Clone Carioca Serv. Multimidia Ltda, 2009a.
______ .  Centro de Memória Institucional do ISERJ: Breve Balanço de uma Iniciativa de Preservação. In: Exposição Um Olhar sobre o Instituto de Educação: Entre Acervos, Memória e História, 2009, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Marcelo da Cruz Silva, 2009b.

________. Ofícios de um cidadão republicano: a trajetória profissional de Luiz Nazareth na Escola Normal. In: III Congresso [Auto] Biográfico: formação,territórios e saberes, 2008, Natal. III CIPA (Auto) Biografia: formação, territórios e saberes. Natal: UFRN, 2008a.

______. Entre papéis de memória: A Congregação da Escola Normal da Corte. In: V Congresso Brasileiro de História da Educação, 2008, Aracaju. SBHE V Congresso Brasileiro de História da Educação. O Ensino e a Pesquisa em História da Educação. Aracaju: SBHE / Universidade Federal de Sergipe, 2008

SILVA, F. C. T. Cultura escolar: quadro conceitual e possibilidades de pesquisa. Educar, n. 28, p. 201-216. Paraná, Curitiba: Editora UFPR, 2006

SILVA, Maria Carolina Granato da. Memória e História Imediata da profissão docente: estudantes de formação de professores. In: IX Congresso Iberoamericano de História da Educação Latino-Americana, 2009, Rio de Janeiro. IX CIHELA Educação, Autonomia e Identidades na América Latina. Rio de Janeiro : Clone Carioca Serv. Multimidia Ltda, 2009.

SOUZA, Rosa Fátima de e VALDEMARIN,Vera Tereza (orgs). A cultura escolar em debate: questões conceituais, metodológicas e desafios para a pesquisa. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2005

 VENÂNCIO FILHO, Francisco. Instituto de Educação do Distrito Federal. Estados Unidos da América, Nova Iorque: Liga das Nações, 1945


 Este artigo foi apresentado à Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC) como parte escrita de palestra organizada pelo CEMEF (Centro de Memória da Faetec), no Rio de Janeiro, 2011.






[1] Pedagoga aposentada da  Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC). Criou e coordenou até janeiro de 2012, o Centro de Memória Institucional (CEMI) do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ). Doutoranda em Educação (linha Instituições, Práticas Educativas e História) na UERJ. Mestre em Educação (linha Instituições, Práticas Educativas e História)  pela UERJ. Graduada em História e Pedagogia pela UERJ.
[2] O Livro da Porta era o livro de matrículas. Ele marca a data de matrícula e a série, seguidos do nome do aluno.
[3] A Escola Normal da Corte passa a existir pelo Decreto 7.684, de 6 de março de  1880 que, de conformidade com o Art. 9 do Decreto 7.247, de  19 de abril de 1879, cria uma Escola Normal de instrução primária para professores e professoras, vinculada ao Ministério dos Negócios do Império. A Escola é inaugurada, formalmente, em 5 de abril de 1880, em uma sala do externato do Imperial Colégio de Pedro II, com a presença de Sua Majestade o Imperador Constitucional e Defensor Perpétuo do Brasil, D. Pedro II, Sua Majestade a Imperatriz, o Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império, Conselheiro Barão Homem de Mello, o Bacharel Benjamin Constant Botelho de Magalhães, diretor interino da Escola Normal e outros convidados. (Ata de Inauguração de Benjamin Constant)
[4] Criado  no Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ), em 9 de dezembro de 2005, para reunir, catalogar e difundir a memória institucional.
[5] Empregamos a expressão lugares de memória no sentido de Pierre Nora (1993). Os lugares de memória nascem e vivem do sentimento que não existe memória espontânea, que é preciso criar arquivos, que é preciso manter os aniversários, organizar as celebrações, pronunciar as honras fúnebres, estabelecer contratos, porque estas operações não são naturais (...). Se vivêssemos verdadeiramente as lembranças que eles envolvem, eles seriam inúteis. E se em compensação, a história não se apoderasse deles para deformá-los, transformá-los, sová-los e petrificá-los eles não se tornariam lugares de memória. É este vai-e-vem que os constitui: momentos de história arrancados do movimento de história, mas que lhe são devolvidos (...) (p. 13)
[6] A Universidade do Distrito Federal, UDF, (1935-1939)  foi criada  numa época em que o Rio de Janeiro era o Distrito Federal, capital do Brasil. Anísio Teixeira, então Diretor da Instrução Pública do Distrito Federal, foi seu idealizador. A UDF caracterizou-se por sua proposta inovadora de formação de professores em nível superior e pelo fato de não possuir as faculdades tradicionais - Direito, Engenharia e Medicina -, e sim um curso de Educação, denominado Escola de Professores, que pela primeira vez dotou o magistério de formação específica em nível superior. Entretanto, essa proposta universitária colidiu com os propósitos do governo federal, e em 1939,  a UDF foi fechada e incorporada à Universidade do Brasil. A sede da UDF esteve instalada no prédio do Instituto de Educação, à Rua Mariz e Barros 273, onde funcionaram alguns cursos, razão pela qual grande parte do acervo desta instituição encontra-se no ISERJ (CEMI) e outra parte, dos cursos que não funcionavam no Instituto, na UFRJ (PROEDES).
[7] Livro ou caderno que cotidianamente é empregado para lembretes, avisos e comunicações extra-oficiais, que usam a informalidade como outro tipo de escritura funcional.
[8] Pesquisa realizada pela Professora Marlúcia Neri e pela bibliotecária Mônica Ladeira, ambas trabalhando no CEMI.
[9] Os trabalhos da aula, presos em um caderno, eram uma camisinha de pagão em tecido de algodão, uma bolsa - parece que de macramê-  e um molde, também, de casinha de pagão de bebê.
[10] Livro de Programas das Cadeiras da Escola Normal da Corte.
[11] Conforme escritura do Registro de compra da freguesia do Engenho Velho.
[12] MACLUHAN, 1969.
[13] O início de uma catalogação do acervo da UDF foi realizada, em 2007, com vários professores do Curso Normal Superior do ISERJ, coordenados pelo prof.Dr. Bruno Alves Dassie. Hoje o acervo encontra-se disperso dentre os demais documentos textuais.
[14] Conforme Livro de Visitas do CEMI
Postar um comentário