Pesquisar este blog

domingo, 27 de maio de 2012

A Faceira : culto a mulher





Em abril de 1911 no Rio de Janeiro, veio à luz da publicidade, o primeiro exemplar de uma revista intitulada A Faceira, que recebeu a designação numérica de ano 1, número 1. Publicada em papel couché, A Faceira era "propriedade de uma associação" e trazia, no expediente de cada fascículo editado, a seguinte relação de colaboradores: as "senhoritas": Leonor Posada, Cecília Pimentel Aguirre, Violeta Motta, Hermance de Aguiar, Julieta Accioli, Elda de Moraes Cardoso e Carmen das Dores; os "senhores": Angelo Tavares, Ataliba Reis, Alvarenga da Fonseca, Hermes Fontes, Silveira da Motta, Da Veiga Cabral, Ricardo de Albuquerque, Deoclydes de Carvalho, Lupercio Garcia.
Com redação no primeiro andar da rua dos Ourives número 50, teve Xavier Pinheiro, José Carvalhaes Pinheiro e Romulo Batista exercendo os cargos de redator-chefe, diretor e redator secretário respectivamente. Publicação mensal, como pode ser verificado em seu primeiro editorial, contudo, "com a pretensão de passar a quinzenal", era vendido ao preço de 1$500, o número avulso e sua assinatura, por 12 meses, saía ao preço de 15$000.
Na Biblioteca Nacional constam sete anos da revista, encadernados em 6 volumes. O primeiro volume abrangendo os dois primeiros anos de existência: 1911 e 1912. Os anos de 1915 e 1916 também estão em uma mesma encadernação. O ano de 1917 encontra-se dividido em dois volumes, cada um abrangendo 6 meses. A revista teve no decorrer de sua existência, uma variação no formato.
O primeiro editorial d'A Faceira inicia-se com as seguintes palavras:
"Ei-nos diante de uma difficil tarefa: escrever o artigo de apresentação e dizer o nosso programma. Apresentarmo-nos? Mas como?... De que modo nos cumpre falarmos ao mundo feminino, de cujos interesses nos propomos tratar, nesta revista que se dedica à vida elegante, à vida chic da nossa urbs? […] Rebuscando phrases, burilando periodos, procurando idéias, numa lucta sem treguas, conseguimos porfim encontrar quatro palavras que synthetisam o nosso programma. Eil-as: - um culto a mulher! São esses os nosso fins, os nossos escopos, o nosso rumo."
Encontram-se artigos diversos no periódico, fotos de senhoras e senhoritas da sociedade em seus belos trajes da época, crônicas, peças teatrais, poemas. Há, também, páginas musicais, com alguns fascículos apresentando partituras. Vários poetas publicam obras nas páginas d'A Faceira, dos quais destacamos: Adelina Amelia Lopes Vieira, Ernesto Souza, Hermance de Aguiar, Hermes Fontes (1888-1930),Áurea Pires (1876-1949), Leonor Posada (1893-1960), Delfina Benigna da Cunha (1791-1857), Júlia Lopes de Almeida (1862-1934) e Olegário Mariano(1889-1958).


Fonte: Biblioteca Nacional Digital Disponível em
Fotos: A Careta 1 e 7


Postar um comentário